Como quitar dívidas: conheça 8 formas de sair do vermelho

Quer saber como sair do vermelho, mas ainda não sabe por onde começar? Então confira algumas dicas e recomendações para quitar dívidas e evitá-las.

Categoria: Crédito Pessoal

Categoria: Crédito Pessoal

Ter uma vida financeira tranquila e organizada é certamente o desejo da maior parte das pessoas. Porém, sabemos que nem todo mundo consegue mudar alguns hábitos e conter gastos para manter as contas em dia.

Prova disso é o resultado da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), referente ao ano de 2021, realizada pela Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que aponta que a média das famílias que se declararam endividadas ficou em 74%, superando a média de 2020 (66,5%).

Apesar desse cenário, queremos ajudar a ter uma vida financeira mais organizada e que possibilite a realização dos seus sonhos. Pensando nisso, preparamos este artigo com dicas valiosas de como quitar dívidas e ter uma vida financeira mais tranquila. Acompanhe!

Como quitar dívidas? Veja 8 dicas!

As melhores recomendações para sair do vermelho são as seguintes.

1. Organize seu orçamento

Pra garantir um bom equilíbrio financeiro, é necessário detectar os motivos do endividamento. Do contrário, é como enxugar gelo. Quanto mais o pano seco é esfregado na superfície congelada, mais ele fica molhado.

A única exceção é quando surgem emergências que não foram previstas, pois a origem do problema é clara e raramente vai se repetir no mês seguinte, como a necessidade de um exame específico, a quebra do veículo, a reforma da casa etc.

Mas a maioria das dívidas surge por negligência financeira, que é gastar mais do que se ganha. O problema é que muita gente não faz isso de propósito, pois elas não têm o costume de controlar seus gastos. Ou seja, é necessário anotar todas as receitas e despesas para gerenciar o orçamento pessoal, o que pode ser feito em aplicativo ou planilha.

Ao conhecer todas as suas dívidas, você tem a oportunidade de fazer um estudo matemático mais aprofundado de modo a identificar gastos elevados e pequenos que representam grandes custos no seu bolso, quando somados. Ao fazer essa autoavaliação, você tem a chance de identificar diversos excessos que estão acima dos seus rendimentos.  

2. Renegocie suas dívidas

Uma das primeiras ações que se deve tomar para sair do vermelho é buscar a renegociação de acordos com os seus credores. Para isso, é preciso entender quais são as suas possibilidades para a quitação do valor. Ou seja, é preciso que você já tenha em mente uma oferta, uma condição que seja favorável e justa, e, principalmente, que seja possível de cumprir.

A renegociação de dívidas tem que ser baseada na transparência. Você deve procurar o seu credor e expor a vontade de fazer o pagamento. Porém, também deixe claras as suas condições. Assim, fica muito mais fácil chegar a um acordo que fique justo e interessante para todo mundo — afinal, assim como quitar dívidas é o que você busca, o credor também tem interesse em receber o valor.

3. Corte gastos supérfluos

Dentro da sua missão de como quitar dívidas, é preciso estar no controle de custos excessivos, pois isso te ajuda tanto a sair do vermelho quanto evita o surgimento de novas pendências. Só que muitas pessoas têm dificuldade de compreender quais gastos são supérfluos e quais não.

Pensando nisso, reunimos alguns exemplos para você entender quais custos devem ser dispensados e quais precisam ser mantidos para garantir um consumo consciente:

- despesas mensais: aluguel, luz, gás, telefone e internet (necessidade); TV a cabo (supérfluo);
- alimentação: arroz, feijão, carne, ovos, legumes, verduras e frutas (necessidade); chocolate, doces, bebidas, salgados (supérfluo);
- gastos eventuais: roupas e calçados (necessidade); bares, lanchonetes, restaurantes e cinema (supérfluo).

É válido dizer que os exemplos mencionados necessitam do contexto de cada pessoa para que sejam classificados dessa forma. Dependendo da sua realidade, calçados não são uma necessidade, principalmente se tiver vários pares de sapatos ou tênis em quantidade suficiente.

Além disso, os itens referidos como “supérfluos” não precisam ser eliminados completamente do seu consumo, afinal, momentos de lazer são necessários para relaxar e recarregar as energias.

4. Troque dívidas caras por alternativas mais baratas

Mais uma alternativa para quem deseja saber como quitar dívidas é procurar alternativas para substituir pendências mais caras por opções mais baratas. Não sabe como fazer isso? Então, vamos explicar!

Existem despesas que têm um custo mais alto. Por exemplo, ao final de um financiamento de um veículo, o valor total pago é superior ao do bem. Isso é algo normal e acontece pelo simples fato de que no parcelamento há a cobrança de juros — o que torna o seu custo mais alto.

As taxas de juros variam de uma instituição financeira para outra, o que significa que o custo total pode ser maior ou menor a depender do banco responsável por conceder o crédito. Por essa razão, existe a possibilidade de transferir o financiamento — o que pode ser bastante vantajoso se as taxas de juros forem menores. Desse modo, o valor da despesa fica muito menor.

5. Use o dinheiro no controle

Defina um teto diário para gastar e manter o controle, mas não pense no limite do seu cartão. Afinal, a gente tem a sensação de que não gastou nada com ele. Cartões voltam para carteira, com o dinheiro físico não é diferente.

Quando você adquire o hábito de comprar com dinheiro em espécie, vê seu bolso mais vazio sempre que exagera. Por isso, a dica é determinar o quanto pode ser sacado em um período e o limite de gastos por dia. Quando as cédulas acabam ou ficam insuficientes, qualquer outro gasto só poderá ser feito no dia seguinte.

Essa recomendação ajuda a evitar consumos difíceis de resistir. Para isso, basta somar as contas fixas do mês, como energia elétrica, plano telefônico e mensalidades e calcular uma porcentagem de ganhos para gastar com compras diárias. Por fim, é só dividir por dia e separar a quantia necessária.

6. Eleja algumas prioridades

Para quem tem diferentes dívidas, eleger prioridades na hora de pagar é outra medida que facilita bastante a quitação. Nesse caso, é muito importante que você dê prioridade para o pagamento de dívidas com juros mais elevados e multas, como as de cartão de crédito e cheque especial.

Além disso, você também pode dar preferência para as dívidas mais antigas, pois certamente serão mais fáceis de serem negociadas, já que é muito comum os credores oferecerem condições mais vantajosas nesse caso.

Ao eleger prioridades para os pagamentos, você evita que uma dívida pequena se multiplique com os juros e desorganize ainda mais as suas finanças e ainda alivia o orçamento, dando os primeiros passos para sair do vermelho de uma vez por todas.

 7. Avalie a possibilidade de ter uma renda extra

Que tal vasculhar sua casa para encontrar quais itens estão ocupando espaço à toa? Você pode vendê-los para aumentar sua renda e, assim, sair do vermelho, por isso essa é a nossa sétima dica de como quitar dívidas.

Além disso, se você tiver talentos e habilidades pode fazer dinheiro também. Por meio de vendas e prestação de serviços, você consegue agilizar o processo de redução de dívidas, além de encontrar novas possibilidades de empreender.

As sugestões de renda extra são inúmeras. Confira algumas das mais promissoras:

- freelancer digital: fotografia, jornalismo, programação, redação, tradução, diagramação de materiais escritos, marketing;
- comercialização: venda de doces, bolos, salgados, lanches, marmitas, roupas, calçados, ferramentas etc.;
- prestação de serviços: aulas particulares, consultorias, corte e costura, conserto de objetos e equipamentos, manutenções em geral.

As opções são inúmeras e vale a pena ficar de olho nelas para espantar os juros e multas de dívidas atrasadas definitivamente.

8. Considere fazer a consolidação das suas dívidas

Se você não sabe o que é consolidação de dívidas, não precisa se preocupar, pois é algo bastante simples. Na verdade, consolidação nada mais é que centralizar as suas dívidas em uma única instituição.

Por exemplo, se você tem várias dívidas, de diferentes credores, pode ser mais difícil administrar todas elas, não é mesmo? Por outro lado, se todas se transformassem em uma só, com um valor fixo que você pudesse pagar todos os meses, não seria muito mais prático e organizado manter as contas em dia?

Esse é o objetivo da consolidação das dívidas! Porém, a dúvida que surge é exatamente sobre como fazê-la. A resposta é relativamente simples: é possível contratar um empréstimo e quitar todas as suas dívidas. Dessa forma, você se preocupa apenas com o pagamento do valor emprestado.

A grande vantagem dessa prática é que você poderá pagar as dívidas à vista e, em razão disso, conseguir descontos e condições ainda mais vantajosas. Além disso, ao fazer o empréstimo, pode se planejar para arcar com uma parcela que seja compatível com o seu orçamento, evitando endividamentos futuros.

Como evitar novas dívidas e mudar os hábitos financeiros?

Agora que você já sabe como quitar dívidas, que tal conhecer as melhores dicas para prevenir novos endividamentos e mudar seus hábitos de consumo? Continue a leitura e aprenda mais.

Mantenha o olho nas suas finanças

Já comentamos isso antes, mas é importante mencionar que você precisa redobrar a atenção ao seu dinheiro com frequência. Qualquer transação deve ser registrada, todos os seus ganhos e gastos devem estar sob controle. O segredo está em saber todos os detalhes da sua vida financeira. Não negligencie essa demanda, pois ela é fundamental para quitar dívidas atuais e evitar novas por desatenção.

Viva um degrau abaixo

Abaixar o padrão de consumo é uma boa saída para evitar o superendividamento. Não é preciso ter o último modelo de celular ou roupas de grife. Reavalie seu estilo de vida e pense nas consequências de gastar mais do que o necessário para suprir suas necessidades. Seu bolso agradece.

Lembre-se que esse hábito deve ser mantido quando você passa a ganhar mais. Ter uma renda mais elevada não significa que você tem de extrapolar nos gastos — afinal, o dinheiro simplesmente evapora se não houver bom senso na hora de gastar.

Resista à tentação de acumular novas dívidas

Ao sair do vermelho muita gente respira aliviada e algumas não resistem à tentação de recorrer ao cartão de crédito ou cheque especial para comprar produtos e serviços que adiados por tanto tempo.

O resultado disso é óbvio: um novo endividamento. Algumas recomendações para evitar essa situação são:

- fugir de parcelamentos;
- considerar as taxas de juros de cada mensalidade, caso a compra seja realmente necessária;
- priorizar pagamentos à vista;
- pesquisar antes de fechar negócio para obter os melhores descontos.

É uma estratégia bastante precavida, mas que faz toda a diferença para você atingir suas metas financeiras de médio e longo prazo

Monte uma reserva de emergência

Situações imprevisíveis e causadas por fatores pessoais podem pegar qualquer de surpresa e comprometer diretamente o orçamento. Pense em um exame ou cirurgia que o plano de saúde não cobre, uma reforma na instalação hidráulica da casa, na perda do emprego ou nos honorários daquele advogado que entrou com uma ação há anos.

Para ajudar nesses momentos, para além de saber como quitar dívidas, é preciso contar com uma reserva financeira para situações emergenciais. Ela será sua proteção caso surja qualquer imprevisto. É essa quantia que vai evitar a contração de novas dívidas e suas temidas taxas de juros.

Para saber quanto guardar para emergências, considere os seguintes fatores:

- custo de vida: são seus gastos mensais ou quanto você precisa para manter seu estilo de vida;
- nível de empregabilidade: o quão seguro é seu emprego atual vai definir o tamanho ideal da sua reserva. Por exemplo, um servidor público tem maior - probabilidade de se manter no emprego do que um funcionário privado;
- renda: quanto mais fontes de renda, mais rápido você consegue montar seu fundo emergencial.

Dessa forma, você consegue prever a quantia ideal para ter na reserva, evitando juntar muito dinheiro (e deixar de conquistar outros objetivos financeiros) ou de guardar pouco (ficar vulnerável a riscos).

Busque conhecimento

Artigos, blogs, cursos, livros e vídeos, enfim, nunca foi tão acessível aprender sobre educação financeira. Traga esse tipo de conhecimento para o seu cotidiano. Converse sobre finanças com pessoas próximas, convide-as para estudar com você. Assim, um pode ajudar o outro no sentido de fazer economias, discutir novas formas de empreender e evitar endividamentos.

Agora que você já conhece algumas estratégias de como quitar dívidas, fica mais fácil perceber que essa não é uma tarefa impossível. Na realidade, com organização financeira, força de vontade e as estratégias certas, é plenamente possível abandonar as dívidas, reorganizar as suas finanças e pensar em realizar novos objetivos e sonhos.

As informações deste conteúdo sanaram suas dúvidas sobre quitação de dívidas? Esperamos que sim! Aproveite o gancho da leitura para conhecer o nosso guia rápido do orçamento doméstico organizado.



Através do nosso blog você tem acesso às informações atualizadas e relevantes do mercado financeiro. No entanto, as informações aqui apresentadas têm como única intenção o caráter informativo, estando baseadas em dados de conhecimento público, não significando, portanto, quaisquer compromissos por parte do Banco BV e não constituem uma obrigação ou um dever para o leitor. O conteúdo disponibilizado é elaborado por terceiros e publicado pelo Banco BV. O Banco BV e suas empresas coligadas se eximem de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material e de seu conteúdo. Dúvidas, sugestões e reclamações, entre em contato com o Serviço de Atendimento ao Cliente pelo telefone 0800 728 0083 ou pelo e-mail sac@bv.com.br. Deficientes Auditivos e de Fala: 0800 701 8661. Se desejar entrar em contato com a Ouvidoria, ligue para 0800 707 0083 (Deficientes Auditivos e de Fala: 0800 701 8661).

Atendimento BV