Você sabe quanto custa um funcionário? Descubra agora!

Saber quanto custa um funcionário é indispensável para montar uma equipe eficiente. O segredo da boa decisão é avaliar os gastos cuidadosamente.

Categoria: Parceiro Consignado

Categoria: Parceiro Consignado

Quanto custa um funcionário? Essa é uma pergunta que precisa ser respondida a cada vez que sua empresa considerar aumentar o time de colaboradores. O cálculo precisa considerar todas as despesas diretas e indiretas da contratação, de modo a manter a segurança e saúde financeira do negócio.

A principal questão é que a organização financeira deve ter consciência de que um trabalhador exige muito mais gastos do que apenas o seu salário bruto. A partir disso, é possível valorizar os profissionais de maneira adequada, apresentar um plano de carreira interessante e criar um relacionamento de confiança.

Quer saber mais? Vamos mostrar quanto custa um funcionário e todos os fatores que devem ser considerados. Acompanhe!

Avalie todas as etapas

O primeiro passo para entender quanto custa um funcionário é manter a organização financeira na empresa. Afinal, ao fazer esses cálculos de maneira eficiente, fica mais simples acertar na formação da equipe para aumentar a produtividade dos colaboradores em cada função.

Saiba que um dos principais erros envolve considerar os valores de um funcionário apenas com base em seus salários. Antes mesmo de efetuar a contratação, torna-se necessário incluir custos de recrutamento e o esquema preparado para a seleção do profissional, que varia conforme a empresa e o cargo oferecido.

Já depois da contratação, é preciso controlar gastos que surgem no processo seguinte, como treinamento a distância, cursos de capacitação e, a partir disso, despesas mensais com salários e encargos relacionados. Ao ter um olhar amplo sobre a situação, o financeiro responsável por esse gerenciamento consegue alinhar quanto será gasto com a remuneração do colaborador e o que será destinado aos encargos obrigatórios.

Relacionamento com o colaborador

Um dos maiores desafios das empresas é a rotatividade de funcionários. Isso acontece com bastante frequência porque, quando um membro da equipe não se sente parte da engrenagem que faz o negócio funcionar, ele tende a aceitar qualquer proposta que seja minimamente mais vantajosa.

Sem contar que a falta de identificação com a proposta do trabalho, o relacionamento distante com os superiores e a baixa expectativa de crescimento na carreira são decisivos para a decisão de deixar um cargo. Sendo assim, o segredo está em usar os dados colhidos a partir da identificação dos custos dos colaboradores para criar um processo que crie um relacionamento de confiança entre ambas as partes.

Ao ter uma boa comunicação e clareza nos objetivos, além de proporcionar estímulo na carreira e promover resoluções em relação aos feedbacks recebidos, os gestores conseguem criar um ambiente de trabalho saudável. Assim, o time se torna cada vez mais motivado, com promessas reais conforme a realidade financeira do negócio.

Entenda todos os custos relacionados

Mais do que saber quais são os custos envolvidos direta e indiretamente, entender o que é cada um desses valores é indispensável para descobrir quanto custa um funcionário. Por esse motivo, mesmo considerando diferentes formas de contratação, é necessário traçar um panorama de controle conforme os objetivos da empresa com cada movo colaborador. Para ajudar nesse planejamento, vamos falar abaixo sobre os principais custos.

Salário do funcionário

Independentemente de quais sejam os outros gastos envolvidos na contratação de um trabalhador, o salário sempre será o maior de todos. Ao ter esses valores bem definidos para cada cargo disponibilizado, a empresa consegue avaliar se é possível contratar mais um colaborador, evitar gastos desnecessários e poupar custos.

13º Salário

Os benefícios e encargos atribuídos na contratação do funcionário são parte importante de quanto ele custará para a empresa. É interessante ressaltar que o 13º corresponde a 1/12 do salário bruto do colaborador e pode ser pago de maneira proporcional para quem trabalhou durante os 12 meses do ano. A conta costuma ser feita de maneira simples. Depois de 12 meses de acúmulo, o valor será igual ao último salário bruto recebido.

INSS

Esse imposto deve ser descontado obrigatoriamente da folha de pagamento dos funcionários que têm o contrato em regime CLT (Consolidação de Leis Trabalhistas). O empregador, nesse caso, deve realizar os cálculos, os pagamentos e encaminhar os comprovantes das guias todos os meses ao departamento responsável no Governo Federal.

FGTS

O FGTS também precisa ser calculado na folha de pagamento. De maneira geral, para saber o valor do Fundo de Garantia dos colaboradores é preciso aplicar a alíquota de 8% sobre o salário bruto.

Horas extras

O cálculo das horas extras também é muito simples. Para isso, basta saber quanto o colaborador ganha por hora e dividir esse valor por 220, que é a quantidade de horas trabalhadas por mês normalmente. Logo, calcule o salário do funcionário, a quantia por hora trabalhada, e multiplique a hora ao adicional de 50%.

Seguro Acidente de Trabalho

O Seguro Acidente de Trabalho é uma contribuição realizada pela empresa empregadora ao INSS. Ele tem o objetivo de arcar com os custos dos benefícios pagos quando acontece um acidente de trabalho. Os valores variam conforme os riscos da atividade exercida.

Outros benefícios

Aqui entram gastos periódicos e mensais. Um bom exemplo é o pagamento das férias que acontece apenas na data específica para cada trabalhador e adiciona 1/3 do salário. Além disso, devem ser levantadas outras estimativas, como em casos em que a empresa arca com o custo dos uniformes dos colaboradores, vale-transporte e alimentação, plano de saúde quando houver, licença-maternidade e ausência por doenças.

Faça os cálculos dos encargos

Os encargos, nesse caso, variam conforme o regime tributário em que a empresa atua. Seja no Simples Nacional, seja no Lucro Real ou Presumido, é importante olhar com atenção o retorno que cada funcionário traz e as taxas obrigatórias incluídas. Em média, no Brasil, uma empresa paga cerca de 37% do salário líquido com os encargos sociais.

Dessa maneira, ao fazer as contas e colocar tudo na ponta do lápis, é interessante buscar alternativas financeiras que facilitem esse processo. O principal desafio é que em situações nas quais existe alta taxa de rotatividade, esses gastos podem ser ainda maiores. Por isso, mostra-se tão importante ter o completo controle do planejamento financeiro e do relacionamento com os colaboradores.

Pronto! Agora você já pode fazer o cálculo para saber quanto custa um funcionário. Como explicamos, o foco desse tipo de gerenciamento deve ser manter a saúde financeira do negócio e a retenção de talentos. Só assim será possível montar equipes enxutas e eficientes e oferecer as melhores condições aos colaboradores.

Gostou das informações do artigo? Então, siga-nos nas redes sociais para ficar por dentro de outros conteúdos sobre o assunto — Facebook, Instagram, LinkedIn, Twitter e YouTube.

Atendimento BV

Este site usa cookies e outras tecnologias semelhantes de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, o que pode acarretar no tratamento de dados pessoais. Ao continuar navegando, você declara estar ciente dessas condições.