Saiba onde investir de acordo com os objetivos pessoais

Está a fim de realizar objetivos pessoais? Então, descubra onde investir seu dinheiro.

Categoria: Orientação Financeira

Saber onde investir é um dilema que muita gente passa quando pretende ter uma vida financeira confortável. Poucas são as pessoas que separam um percentual do seu salário para isso. Mesmo em momentos de instabilidade econômica é possível cuidar do próprio dinheiro, definindo metas, objetivos e prazos.

Só que a maioria deposita todas as economias na poupança, pois pensam que esse recurso realmente funciona, passando uma sensação de segurança. Ledo engano, já que a chave para a rentabilidade leva o nome investimento, que pode ser desmembrado em diversas alternativas de ganho, dependendo do seu perfil de investidor.

Para cada pessoa existe um catálogo de investimentos mais adequado. Por isso, elaboramos este material. Nele, você saberá onde investir seu dinheiro da melhor forma, bem como se preparar financeiramente para isso. Confira!

Como traçar objetivos financeiros antes de investir?

Antes de saber onde fazer investimentos para comprar o que você deseja, é necessário fazer um controle financeiro. Confira as recomendações abaixo.

Diagnostique sua situação financeira

A primeira coisa para manter o foco e alcançar objetivos pessoais é saber como anda sua vida financeira. Quanto você ganha por mês, quanto gasta e onde estão as maiores despesas? Você precisa levantar todos os detalhes para elaborar um planejamento eficaz.

Com isso, reserve um tempo para observar a conta bancária, a fatura do cartão e a sua remuneração de forma geral. Verifique se existe um valor que sempre é deixado para o mês seguinte e quais são os gastos supérfluos feitos por causa da facilidade de crédito.

Tudo isso pertence ao seu orçamento e afeta suas finanças. Ao analisar tudo, você identifica exatamente o que compromete suas economias. Somente assim conseguirá definir uma estratégia para diminuir suas despesas e poupar para realizar sonhos.

Determine seus objetivos de vida

Após fazer o diagnóstico financeiro e descobrir onde estão seus maiores custos, é necessário definir seus objetivos para o futuro. Afinal de contas, quem não sabe que caminho quer seguir não vai a lugar nenhum. Então, separe uma parcela da sua rotina para estabelecer objetivos por tempo de realização e importância.

Curto prazo

Concentre-se em pagar todos os gastos extras, como juros boletos, cartões e cheque especial. Depois, considere os custos imediatos, como pequenas reformas em casa ou fazer uma especialização em sua área de interesse. Por último, adicione desejos ou necessidades maiores, que não vão comprometer o orçamento mensal e podem ser conseguidos com uma economia de até seis meses.

Médio prazo

Aqui os objetivos um pouco maiores se encaixam perfeitamente, como pagamento de contas parceladas, viagens ao exterior. Tudo aquilo que pode ser conseguido em até 12 meses faz parte dessa categoria.

Longo prazo

Agora pense nos objetivos que se transformam em sonhos. Aquilo que demanda muito tempo entra nessa fase, que terá de contar com foco e visão de longo prazo, superando 12 meses ou alguns anos para consegui-los.

Está a fim de comprar uma casa, um carro novo ou fazer investimentos rentáveis? Nesses casos, economizar é a melhor saída. O importante é criar o hábito de “fechar a mão” e abri-la apenas em momentos de necessidade.

Transforme seus objetivos em metas de economia

Para tirar os sonhos do papel e realizá-los, é preciso transformar objetivos de vida em metas atingíveis. Elas são fundamentais para suas conquistas e é necessário segui-las da seguinte maneira:

  • quite seus débitos e saia do vermelho;
  • pague obrigações financeiras que estão em dia, mas comprometem o orçamento;
  • crie uma reserva de emergência para suprir imprevistos;
  • economize dinheiro na proporção de 20% para curto prazo, 20% para médio prazo e 50% para longo prazo.

Essa é uma regra flexível e deve ser otimizada conforme sua realidade. Se você pretende dar entrada em uma casa em 3 anos, por exemplo, é preciso calcular o total desse bem e criar metas econômicas para conseguir o valor necessário e pagar pelo imóvel quando o momento chegar.

Por exemplo, você precisa separar ¼ da sua renda por mês para essa finalidade. Ao saber disso, fica mais fácil controlar o consumo e diminuir custos para direcionar a quantia certa e fazer a compra do seu apê.

Planeje seus gastos mensais

O planejamento financeiro é um grande aliado de quem pretende alcançar metas financeiras pessoais. Para isso, crie o hábito de estipular quanto você poderia desembolsar em cada categoria do orçamento. Siga as seguintes instruções.

Gastos fixos

Comece pelos gastos fixos e inevitáveis — como aluguel, parcela da faculdade e mensalidade do colégio dos filhos, caso tenha. É provável que você não encontre exceções, mas existe espaço para manobra. Avalie planos como internet, TV a cabo, streaming de filmes e telefone, avaliando se você realmente utiliza todos eles como deveria. Tente negociá-los para diminuir valores ou troque-os por outros mais econômicos.

Despesas variáveis

Depois, parta para as despesas variáveis, que abrangem:

  • água;
  • cartões de crédito (opte pelos sem anuidade e pague sempre o total da fatura);
  • cheque especial (fuja desse recurso para evitar juros altos);
  • cuidados pessoais;
  • gás;
  • luz;
  • passeios e viagens;
  • transporte;
  • vestuário.

Em relação aos exemplos citados, é perfeitamente possível economizar. Deixe por último os gastos referentes ao estilo de vida (cuidados pessoais, vestuário e lazer), já que para conquistar objetivos pessoais é necessário sacrificar algumas coisas. Mas acalme-se! Não precisa cortar tudo por tempo indeterminado, basta ser prudente.

Sobre a alimentação, por exemplo, por que não levar a comida de casa para o trabalho? Fazer refeições fora diariamente gera gastos desnecessários. Levar uma marmita caseira é uma alternativa saudável tanto para o corpo quanto para o bolso.

Monitore os resultados das estratégias traçadas

Agora que você descobriu o que fazer para definir objetivos financeiros, saiba que o cumprimento das metas citadas é importante para acumular um bom patrimônio financeiro. Lembre-se de que no decorrer do processo você deve acompanhar tudo, a fim de saber se está no rumo certo ou se precisa fazer mudanças.

Dessa forma, você conserva a ideia de atingir as metas de curto, médio e longo prazo, evitando que os objetivos financeiros se percam ao longo do caminho. Além disso, desenvolva atitudes simples que possam mudar sua situação atual para onde quer chegar futuramente. Você pode economizar no cotidiano, fazer uma renda extra e, é claro, investir o dinheiro acumulado.

Revise tudo

Sim, metas e objetivos mudam com frequência. Para evitar frustrações e acabar com aquela sensação de economia em vão, revise o planejamento financeiro e atualize algumas ações para se adaptar à nova realidade.

Imagine que você quer comprar um carro daqui a dois anos. No meio do caminho, recebe uma promoção no trabalho e o seu salário aumenta. Logo, por que não agilizar a concretização desse sonho? Como as mudanças surgem a todo instante, não veja seu propósito como algo estático. Ele precisa acompanhar as alterações de forma natural.

O que e quais são os perfis de investidores?

Após conseguir guardar uma quantia considerável, é preciso fazê-la render da melhor forma. Nesse caso, compreender seu perfil de investidor é indispensável, que é uma análise que observa suas expectativas e preferências sobre os investimentos. Ao responder questões como “por quanto tempo pretende investir” e qual sua tolerância aos riscos”, é possível entender qual é seu temperamento em relação às finanças.

O perfil de investidor considera três características: segurança, liquidez e rentabilidade. Assim, as respostas obtidas mapeiam quais desses elementos são mais priorizados por você. Isso porque raramente você encontrará essas três premissas presentes, em grandes níveis, em todos os investimentos disponíveis no mercado.

Portanto, no momento de tomar sua decisão, é comum que você abra mão da segurança, da liquidez ou da rentabilidade para direcionar suas aplicações. E isso está diretamente relacionado ao seu perfil de investidor. Veja em quais deles você se encaixa.

Conservador

Quem é conservador valoriza mais a segurança. Ou seja, essa pessoa gosta de investir em alternativas de baixo risco. Isso afeta diretamente seus objetivos, que é não perder nada e manter seu patrimônio financeiro.

Diante desse cenário, é normal que esse perfil seja composto por aqueles que estão começando agora e têm receio de encarar manobras arriscadas por falta de experiência, ou então é alguém com mais de 40 anos, que preza pela segurança daquilo que conquistou.

Moderado

O moderado costuma aplicar parte do seu dinheiro em investimentos com baixa liquidez a fim de obter retornos financeiros a médio e longo prazo. Portanto, esse perfil apresenta um nível de risco médio.

Em geral, como parte da sua estratégia, também emprega seu capital em investimentos conservadores, para ter um resgate rápido e uma boa diversificação, que configura a variabilidade dos indicadores a fim de definir o quanto uma aplicação precisa render.

Arrojado (ousado)

O arrojado tem sangue-frio, ou seja, aceita com naturalidade os riscos de variação em seus rendimentos. Isso porque ele confia que, a longo prazo, todas as operações terão resultados positivos ou de readaptação do mercado.

Resumidamente, o ousado entende que as variações são comuns em determinados investimentos. Logo, ele cria uma estratégia para deixar sua situação financeira mais segura, equilibrando as aplicações em conservadoras e moderadas. Isso porque ele não precisará da quantia aplicada de imediato e pode esperar o momento ideal para resgatá-la de acordo com os ganhos.

É um indivíduo que gosta de ultrapassar obstáculos que o fazem retomar uma ação para começar tudo novamente. Ele tem disponibilidade para isso, assim como percebe que precisa consultar um especialista para ter instruções adequadas quanto à estratégia a ser utilizada.

Superconservador

Tem receio até mesmo da probabilidade de mudanças nos rendimentos de renda fixa. Por isso, gosta de investir somente em títulos ligados ao Certificado de Depósito Interbancário (CDI), para não sofrer grandes prejuízos.

Medroso mórbido

Algumas pessoas vão além dessa característica e são conhecidas como “medrosas mórbidas”. Esse perfil descreve aquelas que têm muito medo de perder dinheiro, optando somente pela Poupança. O problema é que caem em uma armadilha que desvaloriza o montante poupado, já que o rendimento da poupança é muito pequeno e pode ficar abaixo da inflação, reduzindo o poder de compra.

Imprudente

Essa característica de investidor é bastante peculiar, pois, ao contrário do medroso, investe em títulos sem saber como funcionam seus respectivos rendimentos. Caracteriza pessoas que fazem investimentos sem estudar cada caso. Baseiam-se no achismo e nos rumores que ouvem por aí.

Essa pessoa vive em perigo financeiro, podendo sofrer prejuízos irreversíveis a qualquer momento. Se você costuma agir dessa forma, faça o possível para mudar hoje mesmo. Não deixe o dinheiro acumulado com tanto esforço a mercê da sorte.

Sabia que seu perfil de investidor pode mudar?

É isso mesmo que você acabou de ler. Tudo que foi dito sobre os perfis de investidor e em qual categoria você se encaixa melhor pode mudar com o tempo. Isso significa que, se você faz investimentos conservadores, é possível transitar para manobras moderadas.

Mas como isso ocorre na prática? Bem, você deve ter notado que investidores moderados e arrojados gostam de se arriscar, correto? E quando esse risco acontece de maneira calculada pode trazer resultados positivos. Basta agir com base em estudos para praticar as melhores estratégias.

O conhecimento é a chave para saber onde investir com excelência, é claro. Isso mostra que investidores moderados e arrojados têm uma compreensão mais ampla sobre o mercado e seu funcionamento. E, por conta disso, conseguem usufruir das oportunidades disponíveis com maiores retornos.

Isso indica que os conservadores não sabem investir? Claro que não. Muitos conhecem bem o mercado de ações, mas se preocupam muito com a segurança do seu dinheiro. E não há nada de errado em ter essa característica.

O que está sendo discutido é que ao aprender mais sobre investimentos e com a chance de mudança nos objetivos pessoais, é comum que alguns investidores transitem de perfil com naturalidade.

Meu objetivo é comprar um carro, onde devo investir?

Quem tem um automóvel conta com maior comodidade, principalmente no nosso país, onde o transporte público não funciona com eficiência. Ainda que muita gente pense que comprar esse bem seja muito difícil, tomar as decisões certas é imprescindível para realizar esse sonho.

Quer saber onde investir para comprar seu carro com segurança? Então, confira essas dicas.

Defina o modelo de acordo com o valor que você pretende gastar

Na hora de começar a juntar seu dinheiro suado, pense no modelo de carro que gostaria de ter e se é compatível com o seu orçamento.

Se for um automóvel esportivo ou luxuoso, certamente você terá de esperar muito tempo para fazer essa compra. Em contrapartida, se a categoria escolhida for mais barata e popular, será possível atingir esse objetivo em breve.

No entanto, se a sua meta é ter um veículo mais caro, mas ele não é compatível com a sua renda atual, repense e dê um passo de cada vez. Afinal, por que procrastinar a compra por meses ou anos? Junte suas economias para fazer uma compra modesta e depois continue economizando para subir de nível.

Outra sugestão para abreviar o tempo é considerar a aquisição de um seminovo. Isso porque os zero-quilômetro desvalorizam muito ao sair da concessionária, principalmente nos primeiros anos. É possível que você consiga um valor atrativo com baixa quilometragem, o que é uma vantagem e tanto. Sem contar que alguns usados têm garantia de até 3 anos em revisões e defeitos de fábrica.

Escolha pela qualidade e não pelo preço

Para reforçar o tópico anterior, escolha o modelo que apresenta o melhor custo-benefício. Veja se ele é econômico em todos os sentidos: manutenção, peças e combustível. Avalie toda a qualidade do produto, pois o barato pode sair caro. Fuja de opções com valores muito abaixo do mercado. Consulte a tabela FIPE para ter uma noção mais realista das ofertas.

Invista em renda fixa

Separar uma parte do seu capital para investir em renda fixa é uma saída prudente para fazer sua compra. As probabilidades são:

  • Letras de Crédito Imobiliário (LCIs): são títulos com retorno prefixado ou vinculado a um índice. Como o próprio nome diz, são cotados por meio do crédito imobiliário e não dão prejuízo ao investidor, além de serem isentos de imposto de renda para pessoas físicas;
  • Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs): são títulos de renda fixa que são emitidos a partir do crédito para agronegócio;
  • Tesouro Direto: venda online de títulos públicos para pessoas físicas. É bastante acessível, pois exige somente R$30,00 de investimento inicial. Além disso, é a melhor opção para quem pretende comprar um carro, pois tem rendimentos acima da inflação.

Diversifique os investimentos

Além do conforto da renda fixa — que é segura e rende pouco —, diversifique suas aplicações direcionando um percentual para fundos de investimento em ações e renda variável. Essas alternativas garantem uma rentabilidade mais sólida.

Vale reforçar que essas modalidades são arriscadas. Não existe garantia de ganhos em todas as investidas e levar prejuízo é uma possibilidade. Caso queira participar desse processo, varie seu catálogo de investimentos e não aposte tudo no mesmo recurso. Essa é a melhor estratégia para quem não quer usar seu dinheiro com urgência e tem disposição para encarar os riscos do mercado.

Faça um financiamento

Acumular uma grana e fazer bons investimentos é essencial, mas, particularmente, para quem não gosta de esperar, a escolha de uma boa linha de financiamento pode ser a melhor alternativa.

O financiamento é uma espécie de empréstimo fornecido por uma financeira para que a parte financiada possa comprar um automóvel novo o mais rápido possível. Nesse caso, essas empresas solicitam um valor de entrada e desmembram em mensalidades o restante do dinheiro. É um caminho interessante, pois permite dividir uma quantia alta em parcelas pequenas acrescidas de juros.

Para pedi-lo, é preciso decidir qual instituição pode ajudar você a realizar esse sonho. Para conseguir aprovação, é feita uma análise da sua renda e do seu histórico de endividamento. O orçamento mensal influenciará no número de parcelas e o status do seu CPF no mercado informará se o seu pedido de financiamento será aprovado ou não pela empresa.

Não aceite a primeira opção que vir pela frente — faça uma pesquisa minuciosa, considere as marcas renomadas, a taxa de juros, o Custo Efetivo Total (CET) e prazo para quitação do crédito. Esses são os dados mais relevantes, mas também é necessário verificar a confiabilidade do negócio para não sofrer prejuízos. Acesse o site Reclame Aqui para tirar a prova.

Compre seu carro com calma

Após conseguir a quantia necessária, não vá até uma concessionária para comprar seu carro de forma repentina. Isso porque você pode cair na armadilha de alguns vendedores que tentam forçar vendas para bater metas. Por isso, pesquise tudo sobre os modelos que chamam sua atenção e leve um profissional que entenda sobre mecânica e automóveis em geral.

Muitas pessoas escolhem um seminovo para ser seu primeiro carro. Logo, peça para o mecânico que for com você analisar detalhes, como:

  • carimbo de revisões;
  • desgastes aparentes;
  • documentação;
  • histórico de multas;
  • motor, suspensão, embreagem e freios;
  • qualidade dos pneus;
  • nível de cuidado com o automóvel;
  • lataria.

Se tudo estiver nos conformes, você pode comprar com tranquilidade.

Continue investindo após a compra do automóvel

Pronto! Você já está com o automóvel na garagem e conseguiu graças ao seu esforço. Mas não pense que as recomendações de economia não são mais necessárias assim que você colocar as mãos no volante. É necessário conservar o hábito econômico para continuar poupando.

Afinal, você terá gastos com IPVA, seguro, licenciamento, revisão e outras despesas relacionadas ao carro, que podem comprometer uma parte do seu orçamento mensal. Portanto, a dica é aproveitar o dinheiro extra ao longo do ano para não sofrer prejuízos quando essas contas surgirem.

Você receberá restituição do Imposto de Renda, 13° salário ou alguma bonificação da empresa? Então invista uma parcela dessa quantia em títulos, ações ou Fundos de Investimentos para que ela renda e facilite sua vida mais pra frente.

Saber onde investir é uma missão muito importante para obter sucesso financeiro e ter uma vida mais tranquila no futuro, podendo usufruir de bens, produtos e serviços de qualidade.

Para obter êxito e evitar imprudência nos investimentos, é preciso conhecer as tendências desse mercado, especialmente sobre a taxa Selic. Por isso, confira agora mesmo o nosso guia completo sobre esse assunto tão importante para investidores.

Atendimento BV

Este site usa cookies e outras tecnologias semelhantes de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade, o que pode acarretar no tratamento de dados pessoais. Ao continuar navegando, você declara estar ciente dessas condições.