4 cuidados ao comprar carro direto com o proprietário

Algumas precauções ajudam tanto o comprador quanto o vendedor a não terem problemas futuros com o carro

Categoria: Dicas Financeiras

Categoria: Dicas Financeiras

Se você está pensando em comprar carro direto com o proprietário, saiba que existem alguns cuidados que precisa tomar para não ter problemas tempos depois de fechar o negócio. Caso contrário, ele poderá deixar você na mão quando menos esperar, sem falar na possibilidade de descobrir irregularidades ligadas ao veículo.

Para você não ter esse tipo de problema e ainda realizar uma compra tranquila e sem sustos, preparamos quatro dicas sobre o que fazer na hora de comprar carro direto com o proprietário. Quer saber quais são elas? Continue lendo e descubra!

1. Cheque a documentação ao comprar carro direto com o proprietário

Lembre-se de verificar todos os documentos importantes do carro, que precisam contar com alto-relevo em toda a sua borda para serem autênticos. Para tanto:

- veja se o vendedor preencheu a Autorização para Transferência de Propriedade de Veículo (ATPV) com o valor do carro, a sua assinatura e outras informações necessárias;

- lembre-se de que é importante que você, como comprador, tenha os seus dados preenchidos nessa autorização. Aliás, ela fica no verso do Certificado de Registro de Veículo (CRV), também conhecido como Documento Único para Transferência (DUT). Esse documento é recebido ao comprar o carro, sendo importante que fique guardado na sua residência;

- após o preenchimento desse documento, verifique se o vendedor reconheceu a firma em cartório. Além do mais, é importante para ele ter uma cópia autenticada para comprovar que o carro foi vendido;

- encaminhe também uma cópia autenticada do comprovante de transferência de propriedade, com assinatura e data, para o Departamento Estadual de Trânsito (Detran), em até 30 dias. Isso é exigido legalmente, estando definido no art.134 do Código de Trânsito Brasileiro e também no art. 233;

-verifique os demais documentos exigidos pelo Detran de seu estado, bem como as taxas que precisam ser pagas. Além disso, é preciso levar o carro para uma vistoria, que é feita pelo Detran ou por uma organização credenciada e indicada por ele.

Os processos acima não só protegem o comprador, como também o vendedor do carro, pois a documentação em dia valida a transferência. Isso evita que ele possa ser responsabilizado por multas, infrações, débitos (como IPVAs atrasados), entre outros problemas que foram feitos após a venda, ou seja, que são de responsabilidade do comprador. Para não ter tanto trabalho, você ainda pode contratar um despachante para ajudar com essa parte mais burocrática.

2. Solicite o histórico do veículo

Essa dica complementa a de cima porque a documentação ajuda a entender o histórico do carro, mas você também precisa fazer umas consultas por fora. Para começar, veja se ele não tem pendências (multas, infrações) em órgãos de trânsito, como em Detrans.

Aliás, no site deles, dá para conferir algumas informações valiosas, como a veracidade de placas, multas a pagar, se determinado carro é roubado etc. Confira também se a identificação da placa, do chassi e dos vidros é igual ao que consta nos documentos do carro.

3. Verifique se o preço está dentro da média do mercado

Para não pagar mais do que a média do preço do carro em questão, lembre-se de checar a Tabela Fipe e a Tabela Molicar. Elas reúnem as médias praticadas na venda tanto de carros novos quanto dos usados. Se o valor estiver muito acima do que consta nessas tabelas, pergunte ao vendedor o motivo disso. Pode ser que ele tenha feito melhorias e incrementado o carro.

Por outro lado, é importante desconfiar se o preço do carro for muito baixo, pois pode ter algum problema de documentação em seu histórico. Também pode ter a ver com o estado de conservação do carro, o que nos leva à próxima dica.

4. Avalie as condições do carro

Lembre-se de verificar a situação do carro, de modo a identificar se ele já se envolveu em acidentes graves, já enfrentou enchentes ou incêndios internos. Para tanto, observe:

- se ele apresenta lama, lodo ou alguma sujeira que pode ser de uma enchente. Veja os cantos mais escondidos e de difícil higienização, pois lá elas esses itens tendem a permanecer;
- se há sachês ou outros produtos de odorização no carro, pois podem esconder algum cheiro que denuncie algo de errado;
- se existe a palavra “sinistradoem seu documento, o que é uma obrigação imposta pelo Detran para carros que sofreram acidentes mais graves;
- se a pintura apresenta falhas ou mudanças de tom que indicam batidas ou outros tipos de acidentes ocorridos;
- se a pintura é completa e nova, especialmente em carros mais antigos. Isso porque um modelo assim dificilmente terá uma tintura coesa e uniforme, de modo que se isso acontecer, pode ser sinal de que ele foi pintado. Nesse caso, alguns defeitos podem ser ocultados pela pintura nova;
- se o carpete, o estofamento, o cinto ou outra parte está mofado. Isso pode indicar que ele passou por uma enchente;
- se existem diferenças assimétricas entre para-choques, portas, faróis etc. que podem indicar batidas, desajustes ou outro problema no carro;
- se o barulho da lataria é diferente do resto em alguns pontos. Ao dar pancadas leve em um ponto que sofreu colisão, é possível perceber algo de diferente que denuncie o impacto sofrido;
- se o veículo funciona adequadamente e não apresenta problemas que possam dificultar a sua condução. Para tanto, não se esqueça de fazer um test drive de longa duração, para “sentir” se está tudo bem com o carro.

Outra sugestão é pedir o carro por alguns dias e levá-lo a um mecânico para que avalie a sua condição física de modo aprofundado. Ele poderá identificar pontos de atenção que você não percebeu.

Os cuidados apresentados acima são essenciais para quem quer comprar um carro direto com o proprietário sem ter problemas depois. Eles ajudam você a fechar negócio com mais segurança e também permitem que consiga um carro de boa procedência. Aliás, futuramente, você também poderá vender ele sem ficar com receio de que o seu passado possa prejudicar isso.

Agora que você já sabe como fechar um bom negócio, aproveite para descobrir como é possível financiar um carro particular!

Atendimento BV