Carro novo ou usado: veja os prós e contras de cada um

Se você está pretendendo trocar de automóvel, deve estar em dúvidas se compra um carro novo ou usado. Por isso, leia agora o nosso guia que ensina como escolher e quais são as vantagens e desvantagens de cada um!

Categoria: Financiamento de Veículos

Sempre que queremos trocar de automóvel, bate aquela dúvida: afinal, é melhor comprar carro novo ou usado? Qual deles é melhor para o bolso? É muito difícil escolher, não é mesmo?

Por um lado, é verdade que o carro novo é mais avançado, nunca teve um dono e tem menos chances de dar problema no futuro. Além disso, quem não sonha em ter carro novo na garagem?

Por outro lado, é fato que o carro usado ou seminovo é mais barato na compra, o que faz com que não seja preciso ter um score de crédito muito alto para financiá-lo. Além disso, muitos deles são vendidos em ótimo estado.

E aí, como a gente resolve essa questão? Se você está em dúvida se deve comprar carro novo ou usado, nós viemos para ajudar. Confira a seguir o nosso guia completo que vai inspirá-lo a tomar a decisão certa na sua vida!

O que considerar ao comprar um carro novo ou usado?

Se você está decidido a trocar de carro, então deve escolher se quer comprar um novo ou um usado. Mas como se faz uma decisão dessas? O que devemos levar em conta na hora de escolher entre as duas opções?

Veja a seguir 6 passos que vão ajudar a decidir se você comprará um carro novo ou usado!

1. Veja quanto você dará de entrada e nas parcelas do financiamento

Um dos mais importantes passos no planejamento para comprar um carro é o valor que você terá de pagar por ele. Afinal, precisamos ser realistas e entender qual é a faixa de preço que é possível pagar sem se complicar financeiramente.

Por isso, o primeiro passo para decidir se você comprará um carro novo ou usado é determinar o valor que você pode pagar pelo automóvel.

Além disso, é importante pensar se vamos comprar carro à vista ou parcelado. O segundo caso é o mais acessível e mais comum.

Por isso, devemos incluir no valor aquele dinheiro que podemos dar de entrada ao comprar um carro, além das parcelas mensais que podemos pagar de financiamento.

O recomendado por lei é não assumir nenhuma parcela que seja maior do que 30% da sua renda mensal. Por exemplo, se você e seu cônjuge ganham R$3.000,00 por mês juntos, então a parcela máxima deve ser de R$900,00.

Portanto, você deve juntar quanto tem para dar de entrada (digamos que R$10.000,00) mais a possibilidade de assumir parcelas mensais de até R$900,00. Com base nisso, é possível encontrar alguns carros para analisar no mercado.

2. Tente aumentar o seu score de crédito para o financiamento

Caso você não tenha muito dinheiro para dar de entrada ou para pagar parcelas, não é preciso se desesperar. Dá para realizar o seu sonho de comprar um carro novo ou usado de outra forma.

A financeira leva em consideração o seu score de crédito ao determinar as condições para o financiamento de carro. Quanto maior for o seu score, maiores são as chances de conseguir taxas de juros e prazos mais atrativos.

No entanto, é possível aumentar o score de crédito se ele for baixo? Sim, é! Para isso, é importante seguir alguns passos:

- monte um plano de finanças pessoais para sair do cheque especial;
- pague todas as suas contas em dia;
- faça o cadastro positivo para fornecer mais informações para elaboração do score;
controle os seus gastos.

Você pode consultar o seu score de crédito a qualquer momento no site Meu Score, do Serasa. Para o financiamento de carro, um bom score é acima de 700.

Isso não significa que você não conseguirá financiar o carro se tiver um score menor, pode ficar tranquilo. No entanto, talvez você precise pagar um pouco mais ou lidar com juros compostos maiores.

3. Leve em consideração os gastos mensais com o veículo

Você não deve levar em conta apenas o preço do carro e as parcelas do financiamento ao decidir entre comprar um carro novo ou usado. Existem outros gastos que devem ser considerados.

O primeiro deles é o da manutenção preventiva. Cada modelo de carro tem um custo específico de revisão, que é calculado com base na dificuldade mecânica do automóvel, na facilidade de encontrar uma revisão e no preço das peças de substituição.

Para saber qual carro tem a manutenção mais barata, leve em consideração o Índice de Manutenção Veicular elaborado pela Cesvi Brasil, um centro de pesquisas especializado em automóveis.

Normalmente, um carro usado tem um custo de manutenção um pouco maior por uma questão lógica.

A revisão dos sistemas e das peças do carro devem ser feitas a partir de determinados quilômetros. Por exemplo, depois de andar 20 mil quilômetros, é recomendado trocar o filtro do motor do automóvel. Quanto mais o carro andou, mais ele precisará trocar as suas peças.

Veja um exemplo simples para entender:

Imagine que o Carro A é um zero-quilômetro e o Carro B é um modelo exatamente igual, mas que já teve um dono antes.

A montadora dos dois carros recomenda que seja trocada a lona dos freios (sim, essa peça existe!) a cada 80 mil quilômetros.

Considerando uma média de 20 mil quilômetros rodados por ano, o Carro A só precisará trocar a lona dos freios daqui a 4 anos. No entanto, se o Carro B tem 3 anos e já rodou 60 mil quilômetros, a troca da peça será feita no ano que vem.

É importante levar essas informações em consideração, pois a manutenção custa dinheiro — e isso pode influenciar a sua decisão entre comprar carro novo ou usado.

4. Considere também os “custos escondidos” dos carros

Já está cansado de fazer contas? Infelizmente, temos outras para fazer ainda. Mas são as últimas, prometemos!

Além do valor da entrada, das parcelas do financiamento e da revisão do carro, é importante também levar em conta os “custos escondidos”: impostos, licenciamento e desvalorização.

Assim que o seu carro novo sai da concessionária, ele começa a perder valor. Em média, um automóvel perde de 10 a 20% de valor no seu primeiro ano. Muita coisa, não é?

Já os carros usados costumam desvalorizar menos, pois já perderam a maior parte do seu valor nos primeiros anos de uso.

No entanto, existe também uma diferença de preço no Seguro Automóvel. O valor desse pagamento é calculado com base no valor do carro e no seu índice de uso. Os usados costumam gerar seguros um pouco maiores.

Outro gasto a colocar na conta é o IPVA. Ele é pago todos os anos e varia de acordo com o valor do carro. A única coisa que é mais ou menos estável e não muda se o carro é usado ou não é o licenciamento, que custa de R$80,00 a R$200,00, dependendo do estado.

5. Defina o tipo de carro que você deseja ter

Nós falamos de parcelas do financiamento, entrada, score de crédito, IPVA, licenciamento, seguro, manutenção, troca de peça e outros itens que são exclusivamente numéricos.

Mas escolher entre um carro novo ou usado não é só uma escolha matemática, não é mesmo? Se fosse, existiria um Índice que diria qual é o melhor carro.

Comprar um carro é também realizar um sonho e satisfazer um desejo. Talvez você queira ser motorista de aplicativo e precise de um automóvel mais potente. Talvez a família cresceu e é preciso trocar de carro por um maior.

Seja como for, é essencial levar em consideração qual é o tipo de carro que você quer ter. Isso é tão importante quanto ver o preço ou outros gastos. Afinal, não vale a pena comprar um automóvel se você não gostar dele, não é mesmo?

Por isso, procure por modelos que correspondam à sua necessidade e use os filtros financeiros apenas para ver qual desses carros cabe no seu bolso.

6. Pense na facilidade de compra

Muitas pessoas pensam em comprar carro usado com um conhecido ou de algum particular na Internet. Isso normalmente não é uma boa ideia por vários motivos (falaremos sobre eles mais para frente no artigo!).

No entanto, podemos adiantar que comprar o carro usado ou seminovo com um particular exige um pouco mais de trabalho do que com uma concessionária.

Por exemplo, é preciso checar a documentação e verificar se não existem multas do automóvel por pagar. Isso é importante porque as multas ficam com o carro depois que ele é vendido. Se você comprar e o automóvel vier “premiado”, você terá de arcar com o prejuízo.

Por isso, é mais fácil comprar carro com uma concessionária de confiança, já que o processo costuma ser mais simples por lá.

Quais são os prós e contras de comprar um carro novo?

As dicas que citamos no artigo até agora são apenas uma parte do processo para decidir entre comprar um carro novo ou usado.

Além delas, é essencial levar em consideração quais são os pontos positivos e negativos de cada tipo de carro. Assim, quanto mais informação você levantar, mais embasada será a sua decisão. E, quanto mais embasada, maior a chance de você ficar satisfeito.

Pensando nisso, nós separamos quais são os prós e os contras de comprar carro usado ou novo. Dessa forma, você pode comparar os dois e decidir qual deles é o melhor para você. Para começar, vamos com os prós e contras de comprar um carro novo!

Prós de comprar carro novo

Existem muitas vantagens de comprar um carro zero-quilômetro. A primeira delas é o fato de que você será o primeiro dono dele. Ou seja: será um automóvel sem nenhum vício, zero em folha, até com o famoso cheirinho de novo.

Além disso, por você ser o primeiro dono, o carro não apresentará desgaste em nenhuma peça. Isso significa que você não precisará fazer nenhuma troca por um bom tempo.

Por falar em “bom tempo”, o carro zero-quilômetro também se destaca por levar muito mais tempo para começar a surgir problemas mecânicos. Com algumas exceções, o automóvel zero funciona por anos até ter algum problema, desde que seja feita a manutenção corretamente.

Caso o seu carro zero-quilômetro dê algum problema logo no começo, ele sofrerá um recall da montadora para resolver o problema. Essa é, aliás, outra vantagem do automóvel novo: ele tem garantia de fábrica que, normalmente, cobre um período maior, chegando a durar 6 anos em alguns casos.

Além disso, o carro novo tem tecnologia mais recente e mais avançada. Na prática, isso significa que o automóvel terá funções mais interessantes, como um painel multimídia, airbags laterais, sensores de movimento e conexão com a Internet.

A tecnologia mais avançada também garante que o carro tenha menos problemas. Por causa disso, o seu seguro é mais barato. Afinal, a chance de precisar de novas peças é relativamente menor.

Além disso, o avanço tecnológico também faz com que o carro tenha mais eficiência energética. Isso significa que ele economiza mais combustível e, por causa disso, gera menos custos mensais.

Para finalizar, o carro novo também tem facilidades tanto para comprá-lo quanto para revendê-lo.

Em primeiro lugar, as concessionárias oferecem mais vantagens para você comprar um carro zero. Isso porque as montadoras se beneficiam se a frota da cidade for mais recente (não precisam dar suporte a automóveis antigos e caros, por exemplo).

Isso significa que você poderá comprar um carro novo dando o seu usado na troca (possivelmente levando o valor dele na Tabela FIPE em consideração), além de condições melhores de financiamento.

Em segundo lugar, o carro novo também traz benefícios na “saída”, quando você vai revendê-lo. Nesse caso, o valor de revenda costuma ser maior, uma vez que o automóvel só teve um dono.

Contras de comprar um carro novo

Nossa, são muitas as vantagens de comprar um carro novo, não é mesmo? No entanto, isso não significa que não existem contras nesse negócio.

Para começar, um carro novo sofre uma desvalorização inicial enorme. É claro que, no fim das contas, ele terá um valor maior do que um usado na revenda, mas em relação ao preço inicial, a desvalorização é muito grande.

Para se ter uma ideia, em média um carro novo perde de 33% do valor nos dois primeiros anos. Às vezes, nem precisa esperar tanto tempo assim.

Além disso, o carro novo tem impostos maiores, uma vez que são mais valiosos. Por isso, sempre que chegar janeiro, você terá de pagar um IPVA um pouco maior do que se tivesse um carro usado.

Por falar em ser mais valioso, é importante mencionar que o carro novo é mais caro, uma vez que pagamos o preço completo nele.

Aliás, esse é um problemão especialmente porque os carros estão ficando cada vez mais caros: entre 2015 e 2018, o valor deles subiu 55,9%!

Para completar, é importante ter em mente que um carro novo chama mais a atenção não só dos amigos e familiares, mas também de criminosos, o que pode aumentar a chance de roubo. Em compensação, é importante falar que carros novos contam com mais tecnologia antifurto.

Quais são os prós e contras de comprar um carro usado?

Muito bem. Nós já vimos as vantagens e desvantagens de comprar um carro novo e já pudemos avaliar se vale ou não a pena ter um zero-quilômetro na garagem.

Mas e em relação ao carro usado? Será que ele tem mais vantagens que o novo? Ou será que tem mais desvantagens? Vejamos a seguir!

Prós de comprar um carro usado

Assim como no caso do carro novo, existem muitas vantagens em comprar um automóvel usado. A primeira delas é o seu preço, que é muito mais em conta do que no caso de um 0 quilômetro.

Por causa disso, o carro usado é mais acessível. Além de o preço total ser menor, as suas parcelas de financiamento também costumam ser mais baixas. Isso faz com que o negócio fique mais em conta.

Outro elemento que faz com que o carro usado seja mais acessível é a facilidade de negociação. Dependendo de onde ou com quem comprar, é possível diminuir bastante o preço do automóvel.

O carro usado também sofre menos desvalorização proporcional ao seu preço inicial do que o carro zero-quilômetro. O novo perde a maior parte do seu valor nos primeiros 3 anos. Dependendo do seu capricho e cuidado, dá para vender o usado pelo mesmo valor pago nele.

Outro benefício é que o carro usado tem impostos mais baixos. O valor do IPVA vai caindo com os anos, o que gera uma economia maior nesse aspecto.

O carro usado também tem custo menor em relação a sua documentação. Normalmente, um carro novo precisa pagar, em média, R$1.200,00 para seu emplacamento e outros documentos. Já o carro usado só precisa pagar a taxa de transferência, que gira ao redor de R$200,00.

Uma vantagem interessante do carro usado é que ele é uma opção muito interessante para quem está começando a dirigir. Como é barato, é um automóvel interessante para jovens que começaram a vida adulta agora.

Por fim, um carro usado chama menos atenção do que um novo. Portanto, tem menos chances de atrair a atenção de criminosos.

Contras de comprar carro usado

Assim como no caso do carro novo, existem desvantagens de comprar um automóvel usado. A mais famosa delas é a manutenção, que é mais cara.

Isso acontece porque o carro usado tem mais desgaste nas peças e precisa de mais atenção. Por causa disso, o dono acaba gastando mais na troca de peças e vai mais frequentemente ao mecânico.

Outro custo maior no carro usado é o de seguro. Como há maior chance de problemas mecânicos, as seguradoras cobram um pouco mais dos motoristas.

Além disso, comprar um carro usado é mais arriscado do que comprar um novo, especialmente se você negociar com particulares.

No caso do carro novo, você sabe que não há nenhum problema mecânico com ele. Se houver, é só entrar em contato com a montadora para resolver o problema.

Já com o carro usado, você não sabe se há ou não um problema mecânico ali. É claro que dá para pedir para um mecânico olhar o automóvel antes de fechar negócio, mas isso tem custos.

Além disso, o carro pode ter mais “armadilhas” do que apenas problemas mecânicos. Uma delas é o fato do automóvel carregar multas de donos antigos. Se elas não forem pagas antes da venda, ficam sob responsabilidade do novo dono.

Para piorar, os carros podem ser penhorados em processos judiciais. Se você comprar um carro assim sem saber, pode ter o negócio anulado pela Justiça e terá muitos problemas para receber o seu dinheiro de volta.

Dá para diminuir esses riscos ao comprar carros com uma concessionária, mas, mesmo assim, o negócio é mais perigoso do que comprar um novo.

Os carros usados também contam com uma tecnologia mais ultrapassada do que os novos. Por causa disso, são menos eficientes no consumo de combustível, o que gera um gasto mensal um pouco maior.

Outro problema da tecnologia atrasada é que, apesar de atrair menos atenção dos criminosos, ele também conta com menos segurança antifurto.

Ufa! Quanta coisa a gente viu hoje, não é mesmo? Quem diria que existem tantos fatores a considerar ao escolher entre um carro novo ou usado.

Com base em tudo isso que a gente conversou, você deve ter chegado à conclusão de que não existe uma resposta específica entre um carro novo ou usado. Vai depender do seu perfil e das suas condições.

Para escolher entre as duas opções, leve em consideração o que é mais importante para você dentre as características dos carros e qual alternativa faz mais sentido financeiro.

No entanto, não deixe que o dinheiro seja a única coisa na sua cabeça na hora de decidir. É importante pensar também no que você quer e qual carro você gosta.

O segredo para escolher entre um carro novo ou usado, no fim das contas, é encontrar o equilíbrio entre o dinheiro, seu estilo de vida, as vantagens e desvantagens e aquilo que o seu coração quer conquistar.

Independentemente da escolha que você fizer entre um carro novo ou usado, você sempre poderá financiar a sua compra. Até mesmo se decidir comprar de algum amigo ou familiar!

Para saber mais sobre isso, leia o nosso guia completo que vai ensinar como financiar um carro!

Atendimento BV