O que fazer para aumentar o score?

Embora não seja o único indicador utilizado pelas instituições financeiras para avaliar os riscos da concessão de crédito para os seus clientes, o score tem uma grande importância nesse processo.

Categoria: Dicas Financeiras

Categoria: Dicas Financeiras

Por isso, hoje muitas pessoas têm interesse em saber como aumentar o score e, com isso, elevar também as chances de conseguir ter acesso aos melhores serviços financeiros.

Se você é uma dessas pessoas, este artigo pode ajudar bastante. A seguir, mostraremos o que é o score e como ele funciona, além de apresentarmos algumas dicas simples que podem ajudá-lo a melhorar a sua pontuação. Continue a leitura e confira!

Entenda o que é o score

De maneira simples, o score nada mais é do que uma pontuação que indica o quanto uma pessoa é capaz de honrar com os seus compromissos financeiros em um determinado período.

A lógica é a seguinte: quando uma instituição financeira vai conceder crédito a um cliente ou uma empresa pretende realizar uma venda parcelada, é necessário saber se essa pessoa tem o perfil de um bom pagador e honrará a dívida conforme o contrato. É justamente aí que o score entra!

Na prática, por meio da pontuação do score, empresas e bancos, por exemplo, podem avaliar os riscos de conceder crédito a um determinado cliente, levando em consideração o seu comportamento recente no mercado, o seu histórico de movimentações e a sua relação com empresas e instituições financeiras. Dessa forma, a decisão se torna mais segura e baseada em dados concretos.

Aprenda como esse indicador funciona

O funcionamento do score é bastante simples. A sua faixa de pontuação varia de 0 até 1.000 pontos. Dessa forma, quanto maior for essa pontuação, mais bem-vista será a pessoa diante do mercado financeiro e mais fácil será para ela conseguir serviços dessa natureza — como um empréstimo, um financiamento ou mesmo um cartão de crédito.

Para definir a pontuação de cada pessoa, o score utiliza uma série de variáveis e características do indivíduo. Podemos listar as seguintes:

  • histórico de pagamento de dívidas dentro do prazo;
  • atualização dos dados cadastrais;
  • históricos de eventuais atrasos no pagamento de dívidas;
  • existência de dívidas em aberto;
  • existência de inscrição presente ou recente em órgãos de proteção ao crédito;
  • nível de atividade financeira do indivíduo no mercado;
  • histórico de solicitações de crédito;
  • utilização de outros serviços financeiros;
  • entre outras.

Na prática, inúmeros podem ser os fatores que interferem no cálculo do score. No entanto, as que listamos estão entre as que mais pesam no processo. Por isso, é fundamental ficar de olho nesses pontos caso queira aumentar o score.

Quando um score é bom ou ruim

Como dito, quanto maior for a pontuação, mais bem-visto é o consumidor no mercado. Por isso, o ideal é sempre buscar aumentar o score, já que isso pode facilitar bastante o acesso a serviços financeiros de bancos e outras instituições.

Em regra, um score é considerado ruim quando a pontuação está abaixo dos 300 pontos. Nessa faixa, o cliente é avaliado como de alto risco de inadimplência. Por esse motivo, será mais difícil para ele conseguir um financiamento ou um empréstimo com juros menores, ou mesmo um bom cartão de crédito.

De 300 a 700 pontos, por outro lado, já estamos na faixa mediana do score. Aqui, o cliente é avaliado como de risco médio. Desse modo, pode ser mais fácil ter acesso a serviços financeiros com condições mais benéficas e juros mais atrativos, por exemplo — mas ainda é possível melhorar!

Por fim, na faixa acima dos 700 pontos, o score é considerado como bom e os riscos de inadimplência do consumidor já são avaliados como pequenos. Desse modo, é bem provável que esse perfil de cliente não encontre dificuldades para obter um financiamento, um empréstimo ou aquele cartão de crédito com inúmeras vantagens, por exemplo.

No entanto, é importante lembrar que os bancos e instituições financeiras não utilizam apenas o score como indicador para decidir sobre a concessão ou não de crédito. Por isso, score alto não é certeza de aprovação de crédito imediato.

A importância de aumentar o score

A grande importância do score é permitir às empresas e às instituições financeiras o acesso a informações concretas sobre o perfil do consumidor. Dessa maneira, a decisão de concessão de crédito se torna um processo mais seguro, justo e objetivo, o que contribui para ambos os envolvidos nessa relação.

Ao conhecer o seu score, o cidadão já tem uma noção do seu perfil no mercado, podendo adotar posturas ainda mais benéficas e conseguir ter acesso a serviços financeiros mais vantajosos e ajustados às suas necessidades.

Quando ele é utilizado

Na prática, o score é bastante utilizado por empresas do ramo financeiro, como bancos, financeiras e operadoras de cartão de crédito. Sempre que você, consumidor, procura uma das empresas para solicitar um cartão de crédito ou um financiamento para a compra de um carro ou uma casa, por exemplo, o score é consultado.

Essas instituições dispõem de setores internos dedicados apenas à avaliação de riscos na concessão de crédito. Nesses departamentos, uma das etapas é consulta do score.

4 dicas para aumentar o score

Como dito, quanto mais elevado for o score, melhor é para o consumidor ter acesso ao crédito. No entanto, se a sua pontuação não está da forma como gostaria, saiba que é possível melhorá-la a partir de ações simples. A seguir, listamos 4 medidas que podem ajudar. Confira!

1. Pague as contas em dia

A regra número um para quem deseja aumentar o score é sempre pagar as suas contas em dia. Essa postura é o que demonstra ao mercado o seu compromisso com as dívidas, honrando cada uma delas dentro do prazo. Quanto mais pontual você for, mais confiança transparecerá ao mercado e mais fácil será conseguir crédito.

2. Faça o cadastro positivo

Outro aliado do consumidor que deseja aumentar o score é o cadastro positivo. Esse cadastro é uma forma de registrar o seu comportamento financeiro, comprovando que tem o bom hábito de pagar as suas contas pontualmente e, mais do que isso, está em ordem com as suas finanças.

Com o cadastro positivo, a avaliação do score se torna mais precisa, já que nele consta o histórico de pagamentos recentes de contas, como faturas de cartão, concessionárias de serviços, entre outras. Com base nesses dados, o cálculo do score se torna mais dinâmico e preciso, o que facilita a avaliação dos riscos.

3. Quite as suas dívidas

Como já citamos, as dívidas têm um grande impacto sobre o score. Por isso, se você tem algum débito em aberto, é fundamental que tente negociá-lo e quitá-lo o quanto antes. Com as contas em dia, aumentar o score se torna muito mais fácil, já que elas são alguns dos principais indicadores de riscos.

4. Organize-se

Ter organização financeira é, sem dúvida, um dos pilares para quem deseja aumentar o score. Com as finanças em ordem, por exemplo, é menos provável que você sofra com problemas para pagar a totalidade da fatura do cartão ou seja obrigado a utilizar cheque especial.

Essas ocorrências também prejudicam a sua pontuação e demonstram uma certa desorganização financeira. Na prática, essas ações impedem que você tenha acesso aos melhores serviços financeiros das instituições. Então, o melhor mesmo é se programar e controlar os gastos para sempre honrar as suas contas.

Por fim, como vimos, aumentar o score não é uma missão tão complicada. Com organização e compromisso, é possível mostrar ao mercado o seu potencial para pagar as suas dívidas dentro do prazo e, assim, ter acesso aos serviços de que precisa para conquistar os seus objetivos.

Então, o que achou das nossas dicas para aumentar o score? Acredita que elas podem ser úteis para outras pessoas? Aproveite a oportunidade e compartilhe-as nas suas redes sociais!

Atendimento BV