Como calcular o IOF de um financiamento de carro?

IOF de financiamento de carro incide de duas formas distintas e pode representar um percentual significativo no valor final pago.

Categoria: Dicas Financeiras

Categoria: Dicas Financeiras

Calcular os valores relacionados ao IOF de financiamento ajuda a melhorar o planejamento para a compra de um carro. Com ele, você terá mais certeza na hora de separar recursos para pagar as parcelas. Além disso, esse tributo pode variar de acordo com o momento da economia e as decisões do governo, afetando o valor final pago.

Quer entender melhor como ele funciona e, assim, preparar suas finanças pessoais para o financiamento do tão sonhado carro próprio? Continue lendo e veja o que preparamos sobre esse imposto!

O que é e para que serve o IOF?

O Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários, normalmente conhecido como Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), é um tributo federal que tem como intuito regular a economia. Ele é regulamentado pelo Decreto Nº 6.306, de 14 de dezembro de 2007.

Sua intenção é controlar o mercado financeiro, estimulando ou desestimulando uma atividade mediante a alíquota aplicada. A taxa incide sobre operações financeiras comuns do cotidiano, como veremos no próximo tópico.

O IOF aplicado nas transações financeiras é considerado um recolhimento proporcional a elas, permitindo à Receita Federal e ao governo entender a oferta e a demanda de crédito.

Quando ele é cobrado?

O IOF é cobrado em diversas operações financeiras de diferentes modalidades. Veja as principais:

  • operações de câmbio — as transações de compra e venda de moedas estrangeiras em espécie contam com 1,1% de IOF;
  • crédito rotativo do cartão de crédito — nesse caso, há uma alíquota de 0,38% que incide sobre o valor atrasado. Além dela, há uma taxa de 0,0082% cobrada ao dia, até o valor em aberto ser quitado;
  • cheque especial — as regras e alíquotas do Imposto sobre Operações Financeiras aplicado sobre o limite do cheque especial são as mesmas do crédito rotativo do cartão;
  • compras internacionais no cartão de crédito ou débito (na modalidade pré-pago internacional) — é preciso cuidado com elas, pois o IOF cobrado é maior e incide em cada operação fora do país, inclusive se a compra for feita em um site estrangeiro, mesmo você estando no Brasil. Atualmente, a taxa é de 6,38%;
  • empréstimos e financiamentos — também contam com as mesmas alíquotas de 038% sobre o total contratado e 0,0082% ao dia (totalizando 3% ao ano) sobre os valores em aberto. A exceção é para o financiamento de imóveis residenciais, que é isento de IOF;
  • seguros — o imposto recai sobre o prêmio. Também incide sobre o valor pago em parcelas ou à vista para a seguradora pela contratação do seguro. Além disso, a porcentagem varia entre os diferentes tipos de seguro. Por exemplo, em seguros de bens, como carros, a alíquota é de 7,38%.

O IOF também incide nos resgastes de algumas aplicações, como Tesouro Direto e CDBS, até 30 dias após serem feitas. Desse modo, se forem resgatadas nesse período, haverá incidência de IOF, cuja alíquota varia de acordo com o tempo decorrido. Para se ter uma ideia, se você sacar o valor um dia após o investimento, o IOF é de 96%. No vigésimo nono dia, é de 3%.

Sendo assim, quanto mais dias se passarem, menor é a porcentagem aplicada e cobrada. Após esse mês inicial, o imposto não é cobrado. Além disso, há investimentos que não têm incidência de IOF, como a poupança e as ações da Bolsa de Valores.

Vale destacar que as alíquotas informadas podem variar conforme atualizações anunciadas pelo governo ou medidas especiais para fomentar a economia. Por exemplo, o Decreto Nº 10.305, de 1º de abril de 2020, zerou o IOF de operações de crédito contratadas no período de 90 dias, entre 3 de abril de 2020 e 3 de julho de 2020. Entram nesse grupo alguns financiamentos, empréstimos, crédito rotativo do cartão etc. A medida foi feita para enfrentar os impactos negativos do coronavírus na economia.

Como é feito o cálculo em caso de carro financiado?

No caso de um carro financiado, o IOF é cobrado de duas formas diferentes. A primeira taxa, de 0,38%, incide sobre o valor total financiado e é cobrada somente uma vez. Já a segunda taxa corresponde a 0,0082% ao dia ou 3% ao ano. O valor desse imposto é recebido pelo banco, que o repassa ao governo.

Entender e calcular o IOF é importante para você saber o Custo Efetivo Total (CET) do seu financiamento, o qual engloba:

O CET ajuda a compreender o valor total que será pago em um financiamento, ou seja, ele engloba todos os fatores que compõem a quantia final que, de fato, você precisará pagar. Por isso, é preciso entender como ele funciona, em vez de apenas calcular os juros da operação de crédito contratada.

Embora possa parecer uma tarifa pequena, o IOF pode gerar um impacto considerável em valores altos e em transações específicas, como as compras internacionais com cartão. Dependendo da situação, ele pode tornar uma opção financeira mais vantajosa ou não em relação a outra.

É importante avaliar o quanto de IOF será pago no valor total das parcelas, juntando as duas opções, para poder se planejar financeiramente para quitar seu carro. Aliás, você pode acessar a página de tarifas da BV ou entrar em contato com a nossa equipe para fazer uma simulação de financiamento de IOF e do valor total de um carro novo ou usado. Nesse processo, você saberá exatamente o quanto pagará para não ter surpresas ao trocar de carro ou comprar um novo.

Aproveite para entrar em contato agora mesmo com a equipe de especialistas da BV, fique melhor informado sobre como funciona um financiamento de carro e quais são as suas principais taxas!

Atendimento BV