Trocar ou reparar o carro: qual vale mais a pena?

Trocar ou reparar o carro: qual dessas opções é a ideal no seu caso? Descubra como solucionar essa dúvida e tome a melhor decisão para o seu bolso!

Categoria: Dicas Financeiras , Financiamento de Veículos

Você já ficou em dúvida entre trocar ou reparar o carro? Afinal, qual dessas opções vale mais a pena? O que levar em consideração na hora de fazer as contas e definir? Será que existe uma alternativa melhor para o seu bolso?

Como esse questionamento faz parte da rotina de muitas pessoas, preparamos este conteúdo especial sobre o tema. Durante a leitura do texto, você entenderá qual é o momento certo de fazer um reparo ou uma troca. Aproveite as informações para tomar uma boa decisão!

Quando reparar o carro?

Para tratar desse tema tão importante, entrevistamos Kiyoshi, que é Gerente de Negócios Centralizado na BV, empresa que está no Brasil há mais de 20 anos contribuindo para a realização de inúmeros sonhos.

Segundo o especialista, é fundamental não fazer confusão com as palavras "reparo" e "restauro". Ele explica que "quando você restaura, o formato do automóvel é restabelecido — por isso que é um termo usado para os carros antigos, de colecionador". Reparar é uma prática mais atual e genérica, ou seja, é um conserto que pode ser feito conforme os problemas apresentados. Veja, a seguir, alguns casos que podem ser resolvidos por meio de pequenos ou grandes reparos:

  • porta batida em vagas apertadas ou entradas de estacionamentos;
  • parte amassadas por chuva de granizo;
  • riscos na pintura, entre outros.

Porém, dependendo do que precisou ser feito, "pode ser necessário trocar uma peça ou pintar, mas talvez ele nunca fique igual à versão original. Depois, no momento de vender, o comprador vai reparar na pintura, por ser um usado, e isso vai desvalorizar o carro", comenta Kiyoshi.

Apesar disso, se você precisa de um reparo, não é preciso se preocupar. Atualmente, existem boas técnicas e profissionais especializados. Os estragos causados por uma forte chuva de granizo, por exemplo, podem ser resolvidos com um procedimento chamado de martelinho de ouro, que deixa o carro em seu estado original, diminuindo as chances de desvalorização.

Segundo Kiyoshi, "riscos na lataria geralmente são usados pelos compradores para conseguir um desconto. A técnica de micropintura tem um efeito surpreendente e também melhora bastante a aparência do carro". Portanto, fazer reparos ou trocar peças, quando necessário, é um jeito de fazer com que seu carro não perca valor de revenda — o que seria ótimo, não é mesmo?

Quando trocar o carro?

Nem todo mundo sabe quando trocar de carro. Afinal, quais sinais observar? Será que você pode perder dinheiro de acordo com a opção escolhida? Desgaste das rodas, alto consumo de combustível e manutenções frequentes indicam que esse momento está cada vez mais próximo.

Se o automóvel está dando despesas além do esperado, uma boa ideia é vendê-lo e comprar um modelo mais econômico. Lembre-se de que, dependendo da situação, não vale a pena gastar com o reparo: é melhor vender do jeito que está e já se preparar para comprar outro que caiba em seu orçamento.

"Alguns carros mais novos gastam menos combustível e têm tecnologia melhor — a motivação de troca nem sempre é a quebra, mas a dor de cabeça que isso pode causar e a vontade de experimentar outras opções. O motivo para trocar é bem diferente da necessidade de fazer um reparo ou não", destaca Kiyoshi.

O especialista também aponta que a desvalorização é um fator relativo e deve ser analisado com cuidado — não é porque o seu carro sofreu um dano que você deve se desfazer dele, viu? Pagar pelos pequenos reparos quase sempre compensa.

"Algumas seguradoras oferecem cobertura para reparos menores e esse é um serviço rápido, que pode ser bastante cômodo. Às vezes, você não tem custo adicional nenhum para receber os mecânicos em sua casa", informa Kiyoshi.

Qual é melhor: trocar ou reparar o carro?

Imagine que você passou por um pequeno acidente, o automóvel sofreu alguns desgastes e você não sabe se é hora de comprar um carro novo ou consertar o que está em sua garagem. "Se o para-lama quebrou e o reparo custa R$1000,00, por exemplo, é melhor arrumar e depois vender. Agora, se a parte da frente está toda batida e o conserto custará 30% do valor que você pagou pelo carro, vale a pena trocar", indica o especialista.

Em casos graves como esse citado por Kiyoshi, a desvalorização pode chegar 60% do valor de custo do automóvel. É por isso que trocar em vez de reparar pode ser uma boa economia de tempo — dessa forma, você evita maiores preocupações com a qualidade dos serviços de reparo.

Por outro lado, se uma parte complexa do carro quebrou, é provável que você não consiga fazer a venda pelo preço que deseja receber, porque a desvalorização será grande. Kiyoshi menciona que "se o turbo ou motor de arranque estão com problemas, por exemplo, o reparo pode até ser caro, mas reparar é necessário, porque você perderá dinheiro com a venda se o motor não funciona".

Lembre-se de que a escolha do profissional que vai fazer o reparo é fundamental. Se você conhece a pessoa e confia no trabalho que ela faz, ela pode indicar se o reparo é vantajoso ou não. Não se esqueça de que, independentemente de sua decisão, é necessário manter a manutenção em dia. Isso vale ainda mais para peças que se desgastam com o tempo, como:

  • pneus;
  • amortecedor;
  • bateria;
  • sistema de freios;
  • sistema elétrico;
  • óleo do motor, entre outros.

Não dar atenção a esses componentes cria uma série de riscos para você e para as pessoas que estão no carro — e não é isso que você quer, certo? Portanto, não deixe de se prevenir em relação a isso, por mais que você queira vender o automóvel em breve. Trocar ou reparar o carro pode ser uma decisão difícil: analise todos os pontos positivos e negativos de cada uma das opções antes de decidir, combinado? Desse modo, você fará a melhor escolha!

E aí, gostou do texto e está pensando em comprar um modelo novinho? Aproveite para simular um financiamento agora mesmo e comece a se planejar!

Atendimento BV