6 razões para financiar um carro

O financiamento de um carro pode ser mais vantajoso do que pagar à vista em algumas situações. Veja as principais razões neste artigo!

Categoria: Dicas Financeiras , Financiamento de Veículos

Existem muitos motivos para comprar um carro: poder trabalhar com ele, conseguir se locomover mais facilmente, levar as crianças para a escola, entre tantos outros. Mas e as razões para financiar um carro?

Afinal, é melhor comprá-lo à vista ou pagá-lo em parcelas? Neste artigo, separamos alguns motivos para você optar pela segunda opção com base em situações em que essa é a melhor escolha de longe. Além disso, entrevistamos Kiyoshi, gerente de negócios centralizado BV, para entender melhor sobre esse assunto. Confira!

1. Poder comprar o carro mesmo sem ter todo o valor dele

A primeira razão para comprar um carro financiado é não ter todo o dinheiro para pagar o seu valor à vista. Afinal, juntar algumas dezenas de milhares de reais rapidamente não é tão simples assim, né? Por outro lado, as parcelas do financiamento costumam ser mais fáceis de pagar, isto é, dá para encaixá-las no orçamento com menos dificuldade.

Mas é preciso tomar cuidado na hora de financiar para não fechar um acordo que prejudique as suas economias, bem como para conseguir pagar o carro com maior segurança financeira. Kiyoshi comenta que se esse comprometimento do salário, ou da renda familiar, ficar em torno de 25 a 30% do salário, já é possível comprar o carro por meio de financiamento.

2. Não é preciso se “sacrificar” guardando dinheiro

Imagine que há pessoas que, às vezes, levam entre 5 a 10 anos guardando dinheiro”, diz Kiyoshi. “E chega um momento em que elas têm o valor dele à vista e dizem que poderão conquistar os seus sonhos de comprá-lo”.

Uma pessoa nessa situação pode ‘ver o suor’ de sua vida no dinheiro e não ter coragem de pegar esse valor e colocar tudo no carro”, analisa Kiyoshi. “Então ela passa por esse dilema e acaba não comprando”.

Em outras palavras, ela pode refletir sobre todo o esforço e sacrífico que fez para comprar o carro e acabar por desistir desse desejo. Por outro lado, com o financiamento, ela pode conseguir o seu carro logo após fechar o acordo e usufruir dele sem precisar esperar por todos esses anos.

3. É uma opção para quem não consegue guardar dinheiro

Há outras pessoas que também não sabem guardar dinheiro”, observa o gerente de negócios centralizado BV. “Aquilo que sobra, elas gastam. Estamos falando de uma boa parte da população”.

Essa parcela tem renda, mas gasta muito e não dá conta de poupar”, continua ele. “No entanto, quando você dá um carnê para um desses indivíduos, ele o paga porque tem capacidade financeira. Ele deixa de ir, por exemplo, à balada para fazer isso. Existe uma troca de valores”.

Basicamente, a pessoa pode não conseguir guardar dinheiro para o futuro, mas consegue arcar com pagamentos presentes, tomando decisões no momento sobre que contas pagar. “Ela tem a capacidade de pagar e tem capacidade de crédito”, ressalta Kiyoshi.

4. Você não precisa usar todas as suas reservas

Comprar um carro à vista significa gastar uma quantia de dinheiro elevada, que pode fazer parte de suas economias ou reserva para emergências. Kiyoshi dá um exemplo: “Imagine que uma pessoa casada, com filhos em idade escolar, junta R$30.000,00. Ela está decidindo comprar um carro com esse dinheiro para justamente levar as crianças para a escola”.

Se gastar esse valor pagando um carro e depois precisar de algo para os filhos, ou alguma coisa urgente acontecer, de onde ele tirará o dinheiro?”, questiona o gerente. “Os R$30.000,00 são sua reserva, sua segurança”.

Pode até pegar o carro à vista e depois vendê-lo para levantar uma quantia, mas quanto tempo levará para isso? E quanto receberá pelo carro?”, pergunta Kiyoshi. “Enfim, ele ficará com a segurança financeira ou a compra? Saiba que ele pode ter as duas coisas”.

O gerente explica que o interessado pode pegar apenas uma parte da sua reserva e dar de entrada no carro, financiando o resto. Dessa forma, também consegue manter a segurança financeira da família.

5. É possível pagar os juros com algumas economias ou cortes

Atualmente, muitas pessoas têm a ideia de que financiar é ruim por causa da taxa de juros, que assusta. De fato, é importante saber que existe um custo e que é preciso considerá-lo. No entanto, é possível pagá-lo fazendo algumas economias ou cortes pequenos no dia a dia.

Imagine que você gasta R$8,50 por dia para tomar um café, sendo isso um habito seu”, propõe o gerente de negócios. “Mas você considera não tomar café todo dia, como uma promessa, durante dois anos ou 730 dias. Então, ao multiplicar esse valor por esses dias, você economizaria R$6.205,00”.

Se você considerar que financiará um carro de R$30.000,00 em dois anos, tendo dado 20% de entrada, restarão R$24.000,00 para pagar nesse período”, prossegue Kiyoshi. “Digamos que você teria, com as tarifas bancárias e tudo, mais ou menos uma parcela mensal de R$1.252,00”.

Se multiplicar esse valor por 24 meses, terá R$30.048,00”, explica o gerente. “Se subtrair os R$24.000,00, terá R$6.048,00 de juros e encargos, ou seja, um valor semelhante ao economizado com o café”.

Então, podemos dizer que o sacrifício do café valeu a pena. Não digo que você não teve que gastar, estou dizendo que você teve uma troca por algo que é um patrimônio”, continua o gerente. “Imagine só se pegar uma promoção com taxa 0? Aí nem o café precisará cortar”.

6. Você poderá usar o carro para trabalhar o quanto antes

Quem trabalha com um carro, como um profissional liberal, também pode se beneficiar do financiamento. “Darei um exemplo de quem atua como motorista de aplicativo”, diz Kiyoshi. “Uma pessoa compra um carro para trabalhar e paga um financiamento na casa de R$1.200,00 mensais. Essa quantia está até abaixo do valor que pagaria de locação no carro em uma locadora”.

Hoje, esse profissional tem a opção de alugar um carro por 30 dias, pagando em torno de R$1.500,00 por mês”, comenta o gerente. “Para ele pagar esse valor e ter um salário sobrando, mais o combustível, ele precisa rodar alguns milhares de quilômetros por mês”.

Digamos que ele gera um ganho em torno de R$4.000,00 por mês, dos quais são subtraídos os R$1.500,00 mensais”, continua o gerente. “Agora, se ele tiver uma parcela de financiamento de R$1.200,00, ele terá menos sacrifício, pois ficará mais viável”.

Essa diferença de R$300,00 pode gerar uma boa economia e, em quatro meses, corresponderá a uma parcela do carro. Além disso, quem opta pelo financiamento consegue viabilizar e ter um patrimônio, enquanto é preciso devolver um carro alugado.

Um carro próprio também desvaloriza, mas o investimento mensal nele se torna menor. “Para o motorista, a conta é essa: quanto ele paga de parcela versus o quanto ele tem de receita”, afirma Kiyoshi.

Embora haja bons motivos para a compra de um carro por meio de financiamento, é importante saber a sua possibilidade de pagamento para não entrar em uma fria, entendido?

Ver o banco oferecer um crédito de 60 meses sem entrada e achar isso uma oportunidade de comprar um carro, mas sem ter nada no bolso, pode trazer problemas”, alerta Kiyoshi. “Parece que a pessoa realiza o seu sonho, mas isso vira um pesadelo porque, muitas vezes, ela não só não consegue pagar, como também acaba tendo uma dívida maior do que o valor do bem”.

Como vimos, as razões para financiar um carro são várias, como aumentar o seu patrimônio. Mas esse aumento está ligado à sua responsabilidade e à sua capacidade de pagá-lo. Por isso, muito cuidado e planejamento financeiro na hora de tomar sua decisão sobre a compra de um carro!

Que tal descobrir agora como financiar um carro? Preparamos um artigo especial sobre isso!

Atendimento BV