Como definir suas metas financeiras?

Quitar uma dívida, realizar o sonho de ter a casa própria, comprar um carro, garantir uma aposentadoria tranquila etc. Seja qual for o seu plano, é necessário definir metas financeiras. São elas que ajudarão a atingir os objetivos

Categoria: Dicas Financeiras

Categoria: Dicas Financeiras

Organizar a vida financeira é um desafio. Afinal, além de garantir o valor necessário para pagar todas as contas em dia, é importante reservar uma parcela da sua renda para realizar grandes sonhos. É aí que entram as metas financeiras.

As metas são espécies de guias que ajudam você a ter um maior controle sobre os seus ganhos. Elas determinam os passos necessários para atingir objetivos que envolvem as suas finanças. Acredite: ao estabelecer esses propósitos, o seu dinheiro vai render mais.

Quer saber mais sobre o assunto? A seguir, você vai entender melhor o que são metas financeiras, aprender a defini-las e ver como cumpri-las. Confira!

Afinal, o que são metas financeiras?

São as etapas que você vence com o intuito de atingir um objetivo maior. Imagine uma montanha com uma bela vista no alto, por exemplo. O objetivo é alcançar o topo e as metas são os passos necessários para chegar até lá.

Na realidade das finanças pessoais, as metas financeiras são planos bem específicos que determinam a forma que você ganha e gasta o seu dinheiro. Assim como a subida à montanha, não dá para chegar ao topo com apenas um salto: é necessário passar por fases intermediárias e cumprir ações menores em prol de um propósito maior.

Por exemplo, se o seu objetivo é quitar uma dívida, as metas podem ser:

- cortar despesas;
- conseguir um trabalho extra a fim de aumentar a renda;
trocar uma dívida por outra com juros menores;
- reservar uma porcentagem do salário para honrar com as parcelas.

Ou seja, as metas financeiras são resoluções práticas essenciais para a realização de um objetivo. Aliás, todas essas etapas têm períodos preestabelecidos para serem cumpridas. É isso que diferencia as metas de curto, médio e longo prazo. Entenda!

Metas de curto prazo

São aquelas que devem ser executadas em até um ano. Apesar de serem realizações mais rápidas, isso não significa que essa modalidade de meta é definida apenas para objetivos menores, como uma pequena viagem, a compra de um presente especial para o filho etc.

As metas de curto prazo também podem ser uma espécie de preparação de terreno para viabilizar sonhos maiores. Antes de fazer um pé-de-meia para ter uma aposentadoria tranquila, por exemplo, é necessário organizar as finanças e solucionar pendências financeiras.

No geral, as metas de curto prazo são questões mais urgentes, como pagamento de dívidas — especialmente aquelas com juros mais altos — e criação de reserva de emergência. Aqui também entram atitudes simples que não precisam de muito tempo para resolver, como:

- trocar um plano de celular caro por um mais básico;
- diminuir gastos e despesas;
ganhar dinheiro aos finais de semana com trabalhos extras;
- ser motorista de aplicativo;
- entre outros.

Metas de médio prazo

As metas financeiras de médio prazo devem ser cumpridas em, no máximo, dois anos. Geralmente, elas envolvem investimentos financeiros maiores como uma festa de casamento, uma viagem internacional, uma pequena reforma na casa etc.

Nesse caso, é importante fazer uma estimativa de custo para saber o quanto você precisa poupar por mês para conseguir juntar o dinheiro necessário. Logo, as metas podem ser:

- reservar uma porcentagem ou um valor fixo da renda todos os meses;
- investir as economias para o dinheiro render.

Metas de longo prazo

Essas são metas que levam mais tempo para serem concretizadas — no mínimo, cinco anos —, pois exigem um investimento financeiro bem maior. É o caso da compra da casa própria, a reserva financeira para ter uma aposentadoria tranquila ou até a realização do sonho de viver de renda.

Apesar de existirem metas de curto, médio e longo prazo, elas estão sempre interligadas de alguma forma. Isso porque você pode quebrar as metas de longo prazo em metas menores para sentir que as conquistas estão mais próximas. É uma forma de incentivo para manter o comprometimento.

Por exemplo: você precisa juntar R$50.000,00 para dar entrada em um apartamento. Em vez de estipular como meta juntar esse valor em cinco anos, é possível dividir o total necessário para cada ano ou mês. Dessa maneira, a sua meta financeira seria economizar R$10.000,00 por ano ou R$833,33 por mês.

Essa foi uma conta bem simples sem considerar rendimento algum. No entanto, ao fazer algum investimento financeiro com essa reserva, é possível diminuir o valor poupado por mês e, mesmo assim, atingir a quantia de R$50.000,00 em cinco anos, pois o dinheiro renderá.

Por que é importante ter metas bem definidas?

Se as metas não forem bem definidas, você não conseguirá atingir o seu objetivo. Simples assim! Até porque, muitas vezes, o que impede a realização de alguns sonhos de consumo nem é falta de dinheiro, mas sim a desorganização.

Quem nunca estabeleceu um objetivo qualquer na virada de ano, mas não moveu um dedo para concretizar esse desejo, não é mesmo? Geralmente, isso acontece porque além de essas promessas serem muito vagas, elas não são acompanhadas de um planejamento financeiro com ações concretas e prazos. Se esses sonhos ficarem apenas na imaginação, não tem jeito: eles não vão ser realizados e o sentimento de frustração aparece mesmo.

Definir metas financeiras claras e específicas é uma forma de deixar esse objetivo mais próximo da realidade e gerar motivação para cumprir o que foi planejado. Além disso, estabelecer um plano de ação é essencial para estimar o prazo que você precisa para alcançar o propósito.

Como definir essas metas?

Tudo começa com o planejamento financeiro. Esse processo consiste em fazer um diagnóstico da sua situação atual para traçar objetivos e metas condizentes com a sua realidade.

Além disso, é essencial que as ideias não fiquem apenas na sua cabeça. Registre tudo em uma agenda, uma planilha no computador ou um aplicativo financeiro. Veja, a seguir, um passo a passo para definir metas financeiras que serão cumpridas.

Organize o orçamento familiar

É impossível estabelecer metas e acompanhar o progresso com as finanças desorganizadas. Fazer planos sem conhecer a sua realidade é como dar um tiro no escuro. Portanto, analise as suas contas e anote todas as movimentações financeiras. Ao colocar tudo na ponta do lápis, fica mais fácil calcular o quanto do orçamento familiar está comprometido e estabelecer metas para economizar.

Comece pelas despesas fixas como aluguel ou prestação da casa, água, energia, telefone, internet, escola das crianças etc. Some esses valores e calcule a porcentagem da renda que essas contas consomem. Apesar de serem gastos essenciais, é possível poupar ao mudar alguns hábitos simples. Escovar os dentes com a torneira fechada, por exemplo, ajuda a reduzir o consumo de água.

Ainda existem os custos fixos que, muitas vezes, são desnecessários. Com as diversas opções de entretenimento na internet, é comum que os moradores da casa nem sequer liguem a televisão para assistir os canais por assinatura. Se o serviço não é utilizado, cortar essa despesa pode ser uma boa alternativa para economizar.

Em seguida, verifique os custos variáveis como transporte, lazer e alimentação para identificar mais alguns pontos de desperdício. Café da manhã na padaria, almoço em restaurantes e jantar fora de casa todos os dias, por exemplo, não é tão necessário assim. Ao fazer as contas, você vai perceber que cozinhar em casa sai bem mais barato.

Logo, procure reduzir ou eliminar os gastos que podem travar a realização de outros sonhos. Depois de enxugar as despesas, você conseguirá ter uma visão mais ampla da sua situação financeira para traçar metas mais adequadas.

Tenha em mente quais são os objetivos finais

Para comprar uma casa, por exemplo, é bem provável que você tenha que cortar gastos e fazer alguns sacrifícios financeiros nos primeiros anos: eliminar as pizzas dos finais de semana, trabalhar mais para aumentar a renda, deixar de fazer uma viagem em família, entre outros. Se você não conseguir visualizar um prêmio no final, fica complicado manter a disciplina.

Além disso, cada propósito exige um planejamento diferente. É por isso que você precisa definir um objetivo antes de estabelecer as metas. A finalidade do seu planejamento pode ser:

- quitar uma dívida;
casar-se;
- estudar no exterior;
- realizar o sonho de ter a casa própria;
reformar a casa;
- comprar ou trocar de carro;
- abrir um negócio;
- fazer uma viagem de volta ao mundo;
- garantir uma aposentadoria tranquila;
- viver de renda.

Vale lembrar que você não precisa ter apenas um objetivo financeiro. No entanto, ao almejar vários alvos ao mesmo tempo, é bem provável que você não consiga atingir nenhum deles. O ideal é definir as prioridades e focar nelas. À medida que as metas forem cumpridas, você pode traçar novos planos.

Crie metas SMART

A metodologia SMART serve para definir metas bem precisas e diretas. Essa objetividade deixa os propósitos mais fáceis de serem alcançados. A sigla vem do inglês e significa:

- S: specific ou específica;
- M: measurable ou mensurável;
- A: attainable ou atingível;
- R: relevant ou relevante;
- T: time based ou temporal.

A seguir, entenda melhor como funciona cada critério.

Específica

Enriquecer, ter uma folga no orçamento, melhorar a qualidade de vida etc. Esses são objetivos muito vagos e não contém ações concretas para alcançá-los. Assim, fica difícil identificar o que precisa ser cumprido.

Com base nos critérios SMART, as metas precisam conter detalhes importantes para a concretização desse propósito. Veja o exemplo de uma meta específica para a compra de um carro:

- Qual é o objetivo? Comprar um carro zero-quilômetro de R$45.000,00;
- Quem será o responsável pelo cumprimento dessa meta? Toda a família;
- O que fazer para a meta será conquistada? Conseguir um trabalho extra para aumentar a renda, fazer corte de X% de despesa na casa, reservar 30% do orçamento para acumular o valor da entrada e dos custos iniciais (emplacamento, impostos, seguro do carro etc.), entre outros;
- Por que a meta deve ser seguida? Para aumentar o conforto e a segurança da família.

Percebeu como essas metas precisam ser bem diretas e detalhadas? Essas informações são essenciais para guiar as suas atitudes. Se elas não forem específicas, é bem provável que, ao final do prazo, você não tenha todo o dinheiro necessário para adquirir o bem.

Mensurável

Melhorar de vida, por exemplo, é uma meta qualitativa. Ou seja, dificilmente você conseguirá acompanhar esse progresso com números. As metas financeiras precisam ser quantitativas para a mensuração ser viável.

Se você definir como meta aumentar a renda, por exemplo, é possível avaliar o cumprimento dela ao analisar os rendimentos do mês. No entanto, lembre-se também de que ela precisa ser específica. Afinal de contas, um aumento de apenas R$1,00 já significaria o cumprimento da meta se você não especificar um número ideal. Porém, esse valor não seria suficiente para realizar sonho algum.

Logo, defina os valores necessários para o seu propósito. Nesse momento, também é obrigatório determinar qual é o resultado esperado e quanto tempo será necessário para alcançar a meta.

Atingível

Apesar de alguns objetivos estarem atrelados à realização de sonhos de uma vida, é essencial manter o pé no chão. Escolher um propósito impossível de ser alcançado só gera frustração desnecessária.

Quem tem renda mensal de R$1.500,00, por exemplo, jamais conseguirá comprar um apartamento de R$1.000.000,00 em dois anos. Sendo assim, separe as fantasias dos sonhos que realmente podem se tornar realidade.

Agora, você deve se perguntar: como saber se um objetivo cabe no meu bolso? Tem que fazer as contas. Faça uma estimativa do valor necessário e divida-o pelo período que você pretende alcançar essa meta. Se o resultado for equivalente a 100% dos seus rendimentos — ou ultrapassar —, é claro que a conta não vai fechar.

O ideal é comprometer, no máximo, 30% da sua renda para atingir esse objetivo. Se você tem um salário de R$1.500,00, por exemplo, não deve destinar mais que R$450,00 mensais para pagar a prestação de um empréstimo, o financiamento do carro e a parcela da casa.

Todavia, é bom lembrar que metas fáceis demais são desestimulantes. Elas precisam ser atingíveis sim, mas, ao mesmo tempo, devem ser desafiadoras para manter a motivação.

Relevante

A meta precisa gerar resultados positivos na sua vida e contribuir efetivamente para a concretização do objetivo final. Caso contrário, o cumprimento dela nunca será prioridade. Portanto, responda às seguintes perguntas para determinar se a meta é relevante.

- Como a vida da família será afetada pela meta?
- A meta é percebida como elemento relevante por todos os membros da família?
- O momento é propício para o cumprimento da meta?
- Existem outras prioridades que podem ser abaladas por essa meta?

Temporal

Esse critério diz respeito ao prazo de execução. Uma tarefa que não tem data final para realizar é um convite eterno para a procrastinação. Em outras palavras, sem prazo, a meta sempre será deixada para depois e, no fim das contas, nunca será concretizada.

Sendo assim, crie um cronograma com datas predeterminadas para cumprimento de cada etapa. Nesse momento, você deve separar as metas de curto, médio e longo prazo. No entanto, nada de fugir da realidade e estabelecer períodos muito curtos para acelerar o processo. O prazo precisa fazer sentido com a dimensão do objetivo, com a sua realidade financeira e, claro, ser atingível.

Usar a metodologia SMART é a melhor opção para definir as metas financeiras. Quando as metas são específicas, mensuráveis, atingíveis, relevantes e temporais, fica mais fácil atingir o objetivo proposto.

Faça uma reserva de emergência

As emergências são despesas não planejadas que precisam ser pagas de qualquer jeito. Veja alguns exemplos de gastos inesperados:

- hospital e medicamentos na hipótese de doenças graves ou acidentes;
- reparo ou reposição de bens indispensáveis como eletrodomésticos, carro e computador utilizados para o trabalho;
- consertos urgentes na casa como vazamentos, falhas elétricas, problemas no telhado, entre outros;
- manutenção das despesas em caso da perda de emprego ou incapacidade temporária para o trabalho.

Criar um fundo de emergência pode ser considerado um objetivo ou uma meta dentro de um propósito maior. Quando você compra um carro, por exemplo, é essencial manter um dinheiro extra guardado para contemplar as emergências. Dessa forma, você não precisará comprometer o orçamento mensal ou recorrer ao empréstimo pessoal para arcar com os gastos imprevistos.

O valor recomendado para essa reserva é o equivalente para cobrir os seus custos de vida por um período entre seis meses a um ano. Por exemplo: se você gasta mensalmente R$2.000,00 para se manter, precisa ter um fundo de emergência com valor entre R$12.000,00 e R$24.000,00.

Para conseguir juntar esse dinheiro, é essencial encarar isso como uma despesa fixa — assim como aluguel, conta de água, luz etc. Afinal de contas, se você esperar sobrar recursos para abastecer esse fundo, você não conseguirá criá-lo nunca.

Além disso, é bom lembrar que essa reserva deve ser usada em emergências de verdade. Trocar de celular que está em perfeito funcionamento pelo modelo do ano, por exemplo, está longe de ser uma situação emergencial.

Como cumprir as metas financeiras estabelecidas?

De nada adianta fazer todo esse planejamento se você não tiver determinação para cumprir o que foi estabelecido no papel, não é mesmo? É por isso que você precisa criar táticas a fim de manter o comprometimento e não ceder às tentações de gastar dinheiro com bobagens e distrações momentâneas.

A palavra-chave nesse processo é disciplina. É claro que você não deve parar de viver e abrir mão de todos os prazeres em prol de um objetivo de longo prazo. No entanto, o ideal é definir prioridades e manter o foco.

Uma viagem de lazer de última hora, por exemplo, certamente é uma atividade divertida. Contudo, esse gasto não planejado vai comprometer o cronograma das metas e atrasar — ou até inviabilizar — a concretização do objetivo. Portanto, você tem que escolher o que quer conquistar primeiro.

Adiante, você vai ver algumas dicas que facilitarão o cumprimento das metas no prazo estabelecido.

Envolva toda a família nesse processo

Quando uma pessoa é sozinha, o cumprimento das metas depende apenas dela mesma. No entanto, no caso das famílias, é necessário garantir que todos estejam comprometidos com o mesmo objetivo.

Se você economizar, mas o seu cônjuge não controlar os gastos por impulso, por exemplo, pode colocar o sonho por água abaixo. Em razão disso, é essencial alinhar as expectativas com os demais membros da família e delegar responsabilidades.

No caso das crianças, você pode até criar premiações simbólicas para cada meta atingida como forma de incentivo. E não precisa gastar muito com isso: um passeio no parque, uma hora a mais no computador ou um sorvete já podem surtir o efeito necessário. A intenção é envolver todos para que eles também se empenhem nesse processo.

Acompanhe o cronograma definido

Lembra dos critérios SMART citados lá em cima? Quando as metas são bem específicas e com prazos para execução de cada etapa, você consegue acompanhar o progresso em tempo real. Esse monitoramento é fundamental para manter o planejamento nos trilhos. Sendo assim, fique de olho no cronograma a fim de garantir que tudo está sendo cumprido dentro do período predeterminado.

Revise as metas periodicamente

Na teoria, seria lindo se as metas não mudassem até o alcance do objetivo, não é mesmo? Porém, na prática, imprevistos acontecem e é necessário manter uma certa flexibilidade no planejamento para ajustar as metas de acordo com a sua realidade.

O nascimento de um filho não planejado, por exemplo, pode exigir uma reformulação radical nas propostas iniciais — mesmo que você tenha uma reserva de emergência. Sendo assim, revisite as metas com frequência e faça as alterações importantes para garantir o cumprimento delas. Às vezes, uma meta não foi atingida por causa de um objetivo pouco realista ou um prazo apertado demais. Nesse caso, reformule o planejamento, mas não desista.

Definir metas financeiras é essencial para ter um maior controle sobre as suas finanças pessoais. Assim, você consegue honrar com todos os seus compromissos, pagar as dívidas em dia e, ainda, garantir uma folga no orçamento para realizar alguns sonhos. Nesse contexto, lembre-se de criar metas específicas e realistas para não perder a motivação e conseguir atingir o objetivo.

Gostou do assunto? Então, leia também o artigo “Crédito pessoal ou consignado: como escolher a melhor opção. Com esse conteúdo, você vai entender melhor as principais opções disponíveis para cada perfil.

Atendimento BV