Consórcio de carro: entenda como funciona

Descubra tudo que você precisa saber sobre o consórcio de carros e veja se ele é uma boa escolha para conquistar o seu!

Categoria: Financiamento de Veículos

O consórcio de carros é uma forma de financiamento que, para muitas pessoas, viabiliza o sonho de comprar um veículo. Ele tem características bem específicas e se diferencia de um parcelamento comum que vemos no mercado — o Crédito Direto ao Consumidor (CDC).

Devido a essas particularidades, é natural que muitas pessoas tenham dúvidas a respeito de como funciona, quais são as vantagens e desvantagens e o que é necessário fazer para participar do consórcio.

Foi pensando nisso que resolvemos elaborar este artigo. Aqui, você esclarecerá as dúvidas mais comuns, que vão desde o conceito até a análise de qual modalidade é a mais adequada para o seu caso. Vamos lá?

O que é o consórcio de carros?

O consórcio de carros consiste em um grupo de pessoas interessadas em adquirir um bem, que se juntam e pagam parcelas mensais durante determinado período. Ele está dentro da chamada economia colaborativa, ou seja, os consumidores se unem e se organizam a fim de ter acesso mais facilitado a produtos e serviços.

Você pode aproveitá-lo tanto para comprar um carro usado quanto um novo e encontrar diversos planos de pagamento, com base no valor da carta de crédito, na quantidade de parcelas e no valor das mensalidades.

Como funciona o consórcio de carros?

Conhecer e entender melhor como o consórcio funciona é essencial para fazer um bom planejamento para comprar carro e se certificar de que a escolha feita foi a mais adequada aos objetivos e às necessidades que você tem.

Nos tópicos a seguir, vamos explicar, com detalhes, cada ponto que você precisa saber a respeito do funcionamento do consórcio, como o papel da administradora e o funcionamento dos sorteios.

Administradora de consórcio

Já sabemos que o consórcio é formado por um grupo de pessoas interessadas em adquirir um bem, certo? Para evitar que elas façam a gestão do consórcio e tenham que lidar com os pagamentos, os sorteios e até mesmo os conflitos que possam surgir, existem as administradoras de consórcio.

São empresas especializadas nesse tipo de atividade. Elas reúnem as pessoas interessadas (chamadas de consorciados), firmam um contrato e fazem toda a gestão do recebimento das parcelas, dos sorteios, da inadimplência, das assembleias, da entrega da carta de crédito e do que mais estiver relacionado ao consórcio.

Formação de um grupo

Para participar de um consórcio de carros, você precisa entrar em um grupo — que pode ser novo ou em andamento. Vale a pena verificar com a administradora os detalhes sobre as suas opções.

Você precisará fazer o pagamento de mensalidades para o grupo com valor já definido em contrato. Com o dinheiro levantado por todos os participantes no mês, consegue-se criar uma espécie de caixa.

Ao longo do tempo, esse dinheiro será usado para fazer os sorteios mensais das cartas de crédito e o pagamento ao consorciado contemplado, que poderá, finalmente, comprar o carro.

Realização de assembleias

De tempos em tempos, a administradora do consórcio realiza reuniões, chamadas de assembleias. O objetivo é fazer os sorteios, receber as ofertas de lances e contemplar os consorciados com o crédito referente ao valor contratado.

A periodicidade dessas reuniões é prevista em contrato, mas é uma prática bem comum realizar as assembleias mensalmente. Com isso, os consorciados podem participar dos sorteios todos os meses, o que aumenta as chances de contemplação.

O formato depende da empresa. Em geral, os eventos são feitos presencialmente com os participantes ou por meio da internet (no caso de uma administradora que atende consorciados em regiões diferentes).

Oferta de lances

Em geral, os participantes contemplados conseguem a carta de crédito nos sorteios mensais. Contudo, também é possível oferecer lances, de modo bem semelhante ao que acontece em um leilão.

Isso significa que você tem duas possibilidades de ser contemplado e receber o seu crédito. Supondo que você tenha um dinheiro guardado e não queira esperar a sorte chegar, será possível usá-lo para oferecer um lance no sorteio.

Nesse caso, a administradora informa sobre a possibilidade de submeter as ofertas para que o carro seja adquirido sem que os consorciados precisem esperar pelos sorteios. Os lances são feitos de maneira livre e ganha quem oferecer um valor mais alto.

Se você não conseguir fazer a maior oferta, não precisa se preocupar com as suas economias. O dinheiro envolvido no lance não costuma ficar retido pela administradora. Isso significa que você poderá utilizá-lo em oportunidades futuras, caso queira.

Geralmente, os lances dos participantes são registrados com antecedência e de modo sigiloso. A ideia é que os valores não sejam modificados durante a assembleia, prejudicando os consorciados. Porém, tudo depende das regras que a administradora define em contrato. Não deixe de entender como tudo funciona antes de firmar o acordo.

São três os tipos de lances mais comuns oferecidos nas assembleias. Entenda cada um deles a seguir.

Lance livre

Nesse caso, você pode ofertar qualquer valor que esteja entre a taxa mínima estipulada pela administradora e o valor total das mensalidades que ainda restam. Tudo depende da sua disponibilidade financeira e das economias que você conseguiu juntar para submeter o lance.

Lance fixo

Aqui, é a administradora que define uma cota para que os consorciados ofereçam os lances.

Por um lado, quanto maior for esse valor mínimo, menos participantes tendem a dar um lance. Assim, as chances ficam maiores. Por outro, valores mais baixos tendem a fazer com que um número maior de pessoas participe do lance. Devido a isso, existem grandes chances de surgir um empate. Se isso acontece, a carta de crédito é oferecida àquele que tem o número da cota mais próximo do número sorteado.

Lance embutido

Nessa modalidade, o consorciado pode usar parte do valor da carta de crédito para conseguir a contemplação. Suponha que o valor total do bem seja de R$30 mil. Ao oferecer R$5 mil de lance embutido e vencer, o valor que você terá disponível para comprar um carro é de R$25 mil.

Nessa situação, é preciso considerar que o lance embutido fará com que o valor disponível para adquirir o bem seja menor que o esperado inicialmente. Dependendo do seu planejamento, pode ser preciso escolher outro modelo mais em conta.

Definição de quem poderá comprar o carro

Como sabemos, a contemplação pode ser feita de duas formas: sorteio ou lance. A periodicidade é definida pela administradora na formação do grupo e registrada em contrato.

Isso quer dizer que quem tem a sorte de ter a pedra-chave sorteada ou consegue ofertar um bom valor no “leilão” receberá a carta de crédito na assembleia. Ela terá o valor contratado, referente ao veículo desejado pelo consorciado.

Quando você assina o contrato, recebe um número de cota. É ele que será usado no sorteio para saber se a contemplação foi conquistada. O processo costuma ser feito de maneira tradicional, usando um globo com bolas numeradas.

Se o número sorteado em determinado mês for relacionado a um participante que tem mensalidades em atraso, a contemplação dele não ocorre. Nesse caso, a carta de crédito vai para o número mais próximo.

Vale lembrar que, quando muitos participantes ficam inadimplentes, a tendência é a de que o valor das parcelas seja reajustado, a fim de permitir que as contemplações continuem acontecendo. Porém, essa prática é algo que vai trazer prejuízos aos consorciados.

Por isso, é muito importante que você procure uma instituição séria e confiável, que tem processos bem rigorosos na escolha dos participantes que formarão os grupos de consórcios.

Pagamento de taxas

O consórcio de carros não sofre a incidência de juros. É por isso que muitas pessoas acham que ele é a melhor alternativa para se planejar e conquistar esse bem. Porém, é preciso deixar claro que a administradora cobra uma taxa para que você entre no grupo.

Além disso, existe a chamada taxa de administração. A instituição cobra um valor para proporcionar esse serviço de gestão do grupo do consórcio e todas as questões ligadas a ele, como a cobrança das mensalidades e até mesmo os problemas relacionados à inadimplência.

Outra cobrança que se incide sobre o pagamento é a da taxa de fundo de reserva. Ela é criada com o objetivo de manter o consórcio viável mesmo que alguns membros se tornem inadimplentes.

Cada uma dessas taxas varia de acordo com a administradora, mas pode chegar a cerca de 25% do valor contratado. Portanto, não se esqueça de verificar o valor delas com a instituição, pois elas vão elevar o valor da parcela do seu consórcio.

Duração do consórcio

A duração do consórcio depende dos planos que a administradora oferta e do grupo em que você entra. Supondo que você assine um contrato de 48 meses, já sabe que o pagamento das parcelas será feito pelo período de 4 anos.

Ainda que você seja contemplado e receba a sua carta de crédito, precisará continuar o pagamento das mensalidades até que o prazo encerre. Portanto, se você for sorteado no 12º mês, por exemplo, fica ciente de que, mesmo com a chave do carro em mãos, deverá honrar com o compromisso pelos próximos 36 meses.

Também é importante ressaltar que existe a possibilidade de o sorteio ser feito apenas no final do contrato. Isso significa que você pode receber a sua carta de crédito somente depois dos 48 meses, ainda usando o exemplo anterior, mesmo que pague as mensalidades sempre em dia.

Como é o processo de contratação?

Antes de tudo, procure por instituições sérias e confiáveis, que tenham a autorização do Banco Central do Brasil para funcionar. Isso é essencial para garantir que você tenha uma segurança jurídica de que o dinheiro investido por você não será desperdiçado.

Procure entender quais são as taxas, as condições, os planos disponíveis e outras informações relevantes antes de fazer a sua escolha. Essa pesquisa ajudará a encontrar as melhores possibilidades para o seu bolso.

Feita a escolha da administradora, é o momento de definir qual é o carro que você deseja ter, já que o valor do bem é o que determina as condições de pagamento. A seguir, mostramos outros passos que podem (e devem) ser adotados.

Escolher o grupo de consórcio

Caso não tenha muita urgência de adquirir o carro e queira uma opção mais barata, é melhor optar por um consórcio que esteja iniciando. Assim, você consegue boas condições de pagamento.

Você pode até optar por entrar em um grupo em andamento. Porém, é preciso ter ciência de que isso tornará o seu financiamento mais caro, uma vez que será necessário cobrir todos os investimentos já feitos ao longo do tempo. A vantagem aqui é a possibilidade de ser contemplado no sorteio rapidamente.

Ler o contrato atentamente

É o contrato que define todas as regras, os direitos e os deveres dos envolvidos no consórcio. Assine apenas depois de ler e entender as cláusulas registradas ali. Afinal, ao assinar o documento, é como se você estivesse dizendo que está de acordo com tudo que está definido ali.

Existem regras específicas, previstas na legislação, para o consórcio. Isso significa que as administradoras devidamente regulamentadas precisam obedecer a todas elas. Contudo, outras questões podem ser incluídas no contrato, por meio de negociação entre o participante e a empresa, de maneira que o resultado seja justo para ambas as partes.

Se você tiver alguma dificuldade para entender bem o que diz o contrato, solicite ajuda de um advogado. O importante é que você, em hipótese alguma, coloque a sua assinatura ali sem conhecer as regras.

Se for o caso, peça uma cópia à administradora e não tenha pressa para firmar o acordo. Por mais que esse tipo de negociação possa gerar certa ansiedade, é importante conter o impulso de concluir logo o acordo.

Sempre verifique alguns pontos importantes, como:

  • quantidade de membros em cada grupo (já que isso afeta a sua contemplação);
  • periodicidade dos sorteios;
  • periodicidade dos lances;
  • realização de assembleias.

Quais são as vantagens de fazer um consórcio de carros?

Até aqui, você já deve ter percebido que o consórcio tem alguns pontos favoráveis que atraem a atenção de muitas pessoas, certo? Para que as vantagens fiquem bem claras, listamos e explicamos as principais delas a seguir.

Não precisa pagar entrada

Diferentemente de como acontece em um financiamento na modalidade de CDC, você não precisa oferecer uma entrada para participar de um consórcio. Isso significa que você só precisa se planejar para incluir o pagamento das parcelas no orçamento familiar e procurar uma administradora para fechar o contrato.

A burocracia para a contratação é menor

A administradora faz uma análise rigorosa do perfil dos participantes. Isso é necessário para evitar os riscos de inadimplências, que prejudicam todos os envolvidos no processo. Porém, o nível de exigências é menor, uma vez que normalmente não é feita a solicitação de alguns documentos, como o comprovante de renda.

Não sofre cobrança de juros

Uma grande vantagem do consórcio é a inexistência das taxas de juros, que encarecem bastante o financiamento e fazem com que ele se torne inacessível para muitas pessoas, uma vez que eleva o valor das parcelas e do total do veículo.

Ajuda quem não consegue poupar dinheiro

Se você não consegue economizar dinheiro para comprar um carro para a família, mesmo que seja para oferecer como entrada para o financiamento, o consórcio será a melhor opção disponível.

Não perde o poder de compra

Se formos considerar a inflação ao longo do tempo, o dinheiro perde o poder de compra. Isso significa que um carro que hoje custa R$20 mil, daqui a dois anos, por exemplo, é como se ficasse mais caro.

Os mesmos R$20 mil que você tem para comprar determinado modelo hoje não serão suficientes para comprar um carro com as mesmas características no fim do contrato. Para evitar que isso aconteça, o consórcio passa por reajustes periódicos, previstos em contrato. Com isso, o valor das mensalidades aumenta.

A ideia é garantir que os participantes sorteados por último tenham condição de comprar um carro com as características equivalentes ao valor contratado inicialmente.

E as desvantagens do consórcio de carros?

Assim como o consórcio de carros proporciona diversas vantagens para os participantes, ele também tem algumas desvantagens que precisam ser consideradas. Então, antes de fazer a sua escolha, coloque todos os prós e contras em uma balança e veja se vale mesmo a pena optar por essa modalidade de financiamento.

Possível demora para receber o veículo

Existem consórcios de carros que podem ter duração de até 6 anos. Considerando os sorteios realizados a cada mês, se você não tiver muita sorte de ser contemplado rapidamente, é preciso ter consciência de que talvez só receba o valor no fim do contrato.

Embora assuma o compromisso hoje, pode ser que só tenha acesso ao veículo depois de um bom tempo. Se você for um dos últimos contemplados, precisa saber que talvez só conquiste o seu carro depois de 6 anos pagando (ou o período total firmado no contrato).

Cobrança de taxas que podem encarecer o valor do consórcio

Apesar de não sofrer a incidência de juros, é importante lembrar que o consórcio cobra algumas taxas dos participantes, como a de entrada, a de administração e a do fundo de reserva.

Verifique quais são elas e quais percentuais incidem sobre os valores acordados. Faça bem as contas e veja se, ainda assim, as parcelas caberão em seu orçamento pessoal. Além disso, dependendo da situação, elas podem tornar o consórcio mais caro que um financiamento.

Investimento de longo prazo

Mesmo que você seja contemplado já no início, o consórcio precisa ser considerado um compromisso de longo prazo. Isso porque você precisará pagar as parcelas por todo o período contratado. Então, se o seu plano tem a duração de 5 anos, é preciso saber que você terá que comprometer as suas finanças pessoais por 60 meses.

O resgate do valor pago só pode ser feito no final do consórcio

Se por algum motivo você desistir do consórcio no meio do caminho, poderá tentar repassá-lo para outra pessoa interessada. Verifique se a administradora permite a alteração de titularidade e qual é o procedimento necessário para isso.

Dependendo das regras do contrato, se essa transferência não puder ser feita, você só poderá resgatar o valor pago até o momento quando o prazo do consórcio finalizar, ou seja, o seu dinheiro fica retido lá.

Consórcio ou financiamento?

Realizar um empréstimo ou financiamento para a compra de um carro é algo totalmente distinto de um consórcio. As condições, a incidência de taxas, os prazos e até a burocracia são bem diferentes.

O que mais atrai os compradores, nesse caso, é o fato de já poder assinar o contrato e ter as chaves do carro na mão. Isso significa que você pode escolher o veículo na concessionária ou negociar direto com o dono, obter o financiamento com a instituição e já sair de lá dirigindo.

Se você tem pressa e precisa do carro de imediato, o consórcio não é a sua melhor opção, por mais que, em alguns casos, ele seja mais barato e mais acessível que o financiamento. Lembre-se de que não há uma data certa para receber a carta de crédito.

A verdade é que não existe uma escolha ideal comum a todas as pessoas. Tudo vai depender dos seus objetivos, das suas necessidades e das suas possibilidades financeiras. Isso significa que, para algumas pessoas, o financiamento é o mais adequado. Para outras, é o consórcio de carros que oferece as condições mais facilitadas.

Como você pôde ver, existem algumas características que só o consórcio de carros tem. Entendê-las é essencial para que você saiba analisar as opções e qual delas atende melhor o seu perfil. Assim, qualquer que seja a sua escolha, ela será acertada.

Quer entender melhor as principais diferenças entre o consórcio e o financiamento? Aproveite e descubra agora mesmo qual é a melhor escolha para você!

Atendimento BV