5 dicas para comprar o carro ideal para dirigir para aplicativos

Veja como escolher o modelo mais indicado para você começar a aproveitar essa oportunidade

Categoria: Financiamento de Veículos , Dicas Financeiras

Cada vez mais brasileiros têm procurado trabalhar como motoristas autônomos. Por uma questão de desemprego, pela necessidade de complementar a renda ou simplesmente por apreciarem a flexibilidade de horários e os potenciais ganhos que os apps proporcionam, o fato é que a busca por certos tipos de carro para aplicativos é crescente.

Os passageiros se acostumaram rapidamente com a praticidade de pedir um carro onde quer que estejam, e os motoristas e as empresas têm aproveitado essa oportunidade para lucrarem com o serviço.

Ao longo deste artigo vamos explicar como escolher o modelo ideal de carro para começar a dirigir para aplicativos. Cada plataforma tem regras e exigências diferentes, por isso é importante ficar de olho no tipo de carro a ser comprado, além das demais condições para se tornar um parceiro dos grandes apps, como Uber, 99 e Cabify. Continue a leitura e fique por dentro do assunto!

Benefícios de ser motorista de aplicativo

Ser motorista de aplicativo pode ser um bom negócio no Brasil, afinal, a demanda por transporte de boa qualidade e a preços competitivos é alta no país, especialmente nas grandes cidades, onde as distâncias percorridas são longas e o transporte público é caro e ineficiente.

Mais do que uma oportunidade lucrativa, há outros benefícios nesse tipo de serviço. Entre eles, destacam-se:

- fazer o seu próprio horário: apesar de haver momentos do dia em que a demanda é maior, de forma geral, é possível trabalhar quando for mais conveniente;
- ter mais tempo para a família: embora o trabalho exija bastante dos motoristas, isso depende do quanto se pretende ganhar. Quem quer trabalhar menos horas tem essa possibilidade, o que facilita passar mais tempo com a família, levar os filhos à escola, entre outras atividades;
conhecer pessoas diferentes: por meio do trabalho como motorista é possível fazer novas amizades, contatos profissionais e conseguir outras oportunidades de negócios;
tempo de inatividade: em momentos de menor demanda, dá para ler um livro ou desenvolver outra atividade enquanto aguarda novos chamados;
visitar novos lugares: ser motorista permite conhecer lugares novos, inclusive dentro da própria cidade, o que sempre é uma experiência cultural enriquecedora;
gorjetas: há plataformas que permitem aos usuários pagar um valor extra como agradecimento ao motorista pelo bom atendimento realizado.

Cadastro como MEI

Se a atividade como Uber for sua principal fonte de renda, é fundamental se cadastrar como MEI (Microempreendedor Individual). Isso é essencial para garantir um Imposto de Renda mais barato — com um impacto significativo nas suas finanças pessoais —, além da possibilidade de usufruir de benefícios sociais, que vão de auxílio-doença a aposentadoria e até licença-maternidade, no caso das mulheres.

Exigências de carro para aplicativos

Como mencionamos anteriormente, cada aplicativo exige especificações diferentes para aceitar motoristas parceiros. Às vezes, dentro do mesmo app há condições variadas a atender — tudo vai depender da categoria em que o profissional deseja se inserir. 

A seguir, veja as principais exigências de cada um dos aplicativos mais populares do país: Uber, 99 e Cabify.

Uber

A Uber é uma das mais populares plataformas para motoristas. Embora as regras sejam poucas, é preciso atender totalmente aos requisitos para se tornar parceiro da empresa.

Algumas cidades têm leis específicas para quem trabalha como motorista parceiro, que também devem ser respeitadas. Atente-se ao seu caso! Continue a leitura para conhecer as categorias da Uber.

UberX

A UberX é a categoria mais básica, com as viagens mais baratas para passageiros — e também a que exige o carro mais simples dos motoristas. Ainda assim, é preciso ter um carro com ar-condicionado, o modelo deve ser o de 4 portas e oferecer pelo menos 5 lugares. A data de fabricação exigida é a partir de 2008, mas isso também pode variar de cidade para cidade.

Uber Juntos

Essa categoria torna as corridas mais baratas para os passageiros, pois dá para dividir a conta com outras pessoas. Depois de pegar o primeiro passageiro, é possível dar carona para mais um, que é pego no caminho. No entanto, a Uber Juntos só está disponível em um número limitado de cidades. A exigência em relação ao carro é a mesma da UberX.

Uber Select

A Uber Select é a primeira categoria na qual a exigência aumenta um pouco. Os carros precisam ser mais novos e confortáveis, mas o motorista também é remunerado em cerca de 20% a mais em cada corrida.

Os modelos aceitos são bastante variados, mas de forma geral, os carros precisam ser fabricados a partir de 2014 para entrarem na categoria. Veja a listagem completa de quais carros são aceitos na Uber Select.

Uber Black

Essa é a categoria mais cara, mas com o maior retorno para os motoristas parceiros. Além das exigências básicas das categorias anteriores, como ar-condicionado, 4 portas e outras, os carros da Uber Black precisam ser obrigatoriamente SUVs ou sedãs pintados na cor preta. Os bancos devem ser de couro, outra demanda exclusiva da categoria.

Em relação ao ano de fabricação, há variações, dependendo do modelo do carro. Alguns devem ser fabricados a partir de 2011, outros precisam ser mais novos (há casos em que somente carros a partir de 2015 são aceitos). A recomendação é verificar essa informação no site da Uber. Importante: essa categoria está disponível somente em algumas capitais brasileiras.

99

A 99 é mais uma plataforma que permite que motoristas usem seus carros particulares para transportar passageiros nas cidades do país. Uma vantagem desse aplicativo é que ele também conta com táxis, e o fato de oferecer mais opções aos usuários faz com que muitas pessoas deem preferência a esse serviço na hora de pedir um carro.

Diferentemente da Uber, a 99 não conta com categorias específicas, mas há diversos requisitos que precisam ser atendidos para se tornar um motorista na plataforma. O carro deve ter 4 portas e, de forma geral, modelos com até 9 anos desde a sua fabricação são aceitos.

Por exemplo, em 2020, o motorista deve ter um carro fabricado no máximo até 2011 para trabalhar com a 99. No entanto, há cidades nas quais esse tempo de uso é menor, como em Belém (PA). Confira as informações atualizadas no próprio site da 99.

A empresa ainda oferece benefícios específicos aos motoristas, que variam de cidade para cidade.

Cabify

A Cabify chegou ao Brasil em 2016 e logo se tornou um dos aplicativos para transporte favoritos dos brasileiros. Embora esteja presente em menos cidades do que seus concorrentes, a plataforma promete ganhos maiores para os seus motoristas.

Um dos diferenciais da empresa é oferecer parcerias a empresas para o transporte de seus colaboradores. Assim, há oportunidades de ganhos extras para quem dirige pelo app. No entanto, diferentemente da Uber e da 99, os passageiros não têm a opção de pagar as viagens com dinheiro.

Por um lado isso gera mais segurança aos motoristas, que não precisam rodar por aí com dinheiro vivo. Por outro, os pagamentos não são feitos de forma imediata. A empresa promete enviar os valores aos motoristas semanalmente, todas as quintas-feiras, via transferência bancária.

Quando se fala nos carros para ser um motorista parceiro da Cabify, há algumas exigências diferentes das demais plataformas. As necessidades básicas — como estar com a documentação em dia, boas condições visuais e mecânicas e ter condicionador de ar — são as mesmas.

Confira as principais demandas que se diferenciam dos outros apps:

cor do carro: não são aceitos modelos nas cores laranja, fúcsia e verde limão;
rádio com MP3: o automóvel deve obrigatoriamente contar com o equipamento;
data de fabricação: a plataforma aceita carros com, no máximo, 8 anos de fabricação. Alguns modelos têm restrição maior e são aceitos apenas modelos com até 5 anos de uso.

No site da empresa é possível ver quais são os modelos aceitos e o tempo de uso de cada categoria.

5 dicas para escolher o carro ideal

Agora que você já conhece as principais exigências para desenvolver esse trabalho autônomo por aplicativo, dá para ter uma ideia do tipo de carro necessário para atuar na profissão. No entanto, há uma série de diferenças nas condições de cada plataforma. Veja as dicas para escolher o modelo ideal!

1. Defina para qual aplicativo você vai dirigir

A compra de um carro é um investimento. Quando vai utilizá-lo para trabalhar, então, esse compromisso financeiro deve ser feito com ainda mais cuidado, de forma a garantir que o retorno será o melhor possível. Por isso, antes mesmo de adquirir o carro, é importante definir qual é o aplicativo escolhido.

Como você viu anteriormente neste texto, há plataformas que exigem carros mais ou menos novos, e até mesmo a cor do automóvel é um fator determinante para que o cadastro do motorista seja aceito ou rejeitado.

Para otimizar os ganhos, muitos motoristas trabalham com dois ou mais aplicativos ao mesmo tempo — assim, eles têm a oportunidade de encontrar passageiros que usam Uber, 99 ou Cabify e, em teoria, aumentam suas chances de conseguir viagens. Se essa for sua intenção, a dica é escolher um carro que atenda às exigências de todas as empresas.

Aqui, porém, fica um alerta: trabalhar com mais de um aplicativo pode causar problemas, seja na qualidade do atendimento, nas avaliações ou mesmo na hora de administrar seus ganhos. Afinal, não dá para atender dois passageiros em apps diferentes ao mesmo tempo, certo? Se você deixa de atender muitas chamadas em um app, pode acabar sendo preterido em futuras oportunidades.

2. Analise as opções de categoria existentes

Alguns apps, como Uber, contam com categorias diferentes, com exigências que variam entre si. Por isso, é fundamental fazer uma análise profunda do investimento na compra do carro, o tempo que se pretende trabalhar como motorista e os ganhos potenciais.

Embora existam aplicativos que prometem pagamentos mais altos e categorias que cobram mais dos passageiros, repassando um lucro maior aos seus parceiros, é preciso avaliar se a demanda é grande para esses serviços na sua cidade. Procure conversar com outros motoristas e entender melhor como funciona esse mercado na região em que você pretende atuar.

De forma geral, apps mais populares e com mais clientes tendem a ter trabalho para motoristas com uma frequência maior — e as categorias mais econômicas, embora gerem ganhos menores a cada corrida, no fim do mês podem ser mais lucrativas. Além disso, o investimento na compra do carro também é menor.

O que você não deve fazer de jeito nenhum é investir em um carro para trabalhar e, depois, ficar ocioso. Embora uma folguinha de vez em quando seja essencial para descansar, ficar muito tempo parado tem um efeito devastador nas finanças de um profissional autônomo.

3. Faça uma análise das suas finanças pessoais e projeções de ganhos

Quando se decide trabalhar por conta própria, como é o caso dos motoristas de aplicativo, a organização financeira é fundamental. Diferentemente do funcionário de uma empresa, que tem o mesmo salário todo mês, pouco importando o quanto de fato ele trabalhou e se esforçou naquele período, o autônomo ganha com base na quantidade de trabalho entregue.

Tendo tudo isso em mente, pegue a calculadora e siga o passo a passo que listamos abaixo para garantir que as contas ficarão no azul todos os meses:

calcule o quanto você precisa ganhar mensalmente para pagar as contas básicas (aluguel, alimentação, internet, energia elétrica, entre outras);
calcule os gastos com o carro (combustível, estacionamento, impostos e lavagem, por exemplo);
separe um valor todos os meses para a manutenção do carro — você não quer ser surpreendido com uma falha mecânica inesperada ou a necessidade súbita de trocar o jogo de pneus, por exemplo;
guarde o valor necessário para garantir o seguro do automóvel — trabalhar com o carro sem seguro é algo impensável e irresponsável. O risco de um sinistro ocorrer é enorme, e mesmo acidentes simples geram gastos consideráveis.

Essa é a organização básica para manter o seu financeiro saudável. Se você está economizando para realizar algum sonho ou tem gastos fixos além dos citados acima, adicione-os nessa conta. Assim, você terá uma ideia clara de quanto precisa para viver todos os meses e não passar sufoco.

Sabendo das suas necessidades financeiras, é hora de projetar os ganhos como motorista de aplicativos. Se essa é a sua única fonte de renda, provavelmente você terá que trabalhar em período integral — pelo menos 8 horas por dia. No entanto, talvez você possa viver com menos, o que permite um tempo extra para fazer outras atividades.

Veja quanto você ganha por dia e compare esse valor à sua necessidade de renda mensal. Dessa forma, ficará mais claro quantas horas por dia (e quantos dias por mês) você precisará se dedicar à profissão.

É claro que a renda do motorista de aplicativos é variável — alguns dias serão mais rentáveis do que outros. Ainda assim, no geral, é possível fazer esses cálculos a partir de uma média. O importante é garantir o essencial para que a profissão continue viável e você possa viver dela com tranquilidade.

4. Defina se você vai comprar um carro novo ou usado

Outra questão bem importante na hora de escolher o carro para aplicativos é optar entre um modelo novo ou usado. Naturalmente, um carro 0 km tem uma série de vantagens, como:

garantia de fábrica;
possibilidade de oferecer mais conforto aos clientes;
despreocupação imediata em relação a revisões;
tranquilidade a respeito da aceitação na maior parte das plataformas para motoristas;
bastante tempo de trabalho até precisar trocar de carro, entre outras.

Mesmo com todos esses benefícios, é preciso ponderar que carros novos são mais caros do que seminovos e usados. No caso de um financiamento, por exemplo, as parcelas também tendem a ter valores mais altos — o que precisa ser levado em consideração e incluído na análise financeira sobre a qual falamos no item 3 deste texto.

Caso não seja viável financeiramente adquirir um carro zero, há a possibilidade de adquirir um seminovo ou usado. No entanto, é preciso atentar a uma questão fundamental: o ano de fabricação. As exigências quanto à data em que o carro foi fabricado variam de aplicativo para aplicativo, e é preciso verificar essas informações antes de fechar negócio.

De forma geral, os custos de um carro seminovo ou usado são menores, e isso potencializa os ganhos como motorista de aplicativo. No entanto, esses modelos têm uma necessidade maior de manutenção, o que não pode ser desconsiderado. Se o carro for mais antigo, ele eventualmente deixará de ser aceito pela plataforma escolhida, o que também deve ser pesado na hora de tomar a decisão.

Outros fatores preponderantes são as condições do carro seminovo ou usado que você pretende comprar. Lembre-se que os motoristas de aplicativo são avaliados pelos passageiros a cada viagem, e se o carro não oferecer as condições de conforto e segurança que os clientes estão acostumados, suas notas serão baixas.

A consequência disso é que menos oportunidades de trabalho surgirão, e até mesmo o desligamento do aplicativo pode ocorrer. Daí, de nada adianta ter economizado na compra do carro, já que ele não poderá mais ser utilizado para a finalidade pela qual foi adquirido.

5. Confira as exigências para ser motorista de aplicativo

Antes de investir em um carro — novo, seminovo ou usado —, também é importante verificar as demais exigências para ser motorista de aplicativo. Apesar das condições variarem entre os apps no que diz respeito aos modelos de carros, no geral, a documentação exigida é a mesma por todos eles.

Veja o que não pode faltar para começar a trabalhar na profissão:

Carteira Nacional de Habilitação na categoria B, com a especificação EAR (Exerce Atividade Remunerada);
- Certidão de Antecedentes Criminais — alguns apps fazem essa verificação online, consultando bancos de dados dos órgãos de segurança pública, a partir do CPF do candidato a motorista parceiro;
documentação do carro em dia (IPVA e licenciamento DPVAT). Se houver alguma multa pendente, pague;
smartphone com internet para usar o app — algumas empresas oferecem aluguel de celulares, mas costuma sair mais barato ter o próprio aparelho, mesmo que você precise parcelar o pagamento;
algumas cidades contam com legislação municipal específica. Em São Paulo, por exemplo, são exigidos o CONDUAPP e o CSVAPP. Verifique as obrigações da sua região.

Outro ponto importante: carros repletos de adesivos, caminhonetes, vans e veículos com placa vermelha não são aceitos pela maioria das plataformas. Leve essas informações em consideração na escolha do carro para aplicativos.

Mais uma informação crucial: não é possível confirmar a aprovação do cadastro antes da compra do carro, mas dá para adiantar todas as etapas enquanto o automóvel não é escolhido. Em algumas plataformas, como a Uber, a última etapa é a aprovação da documentação do carro — e só é possível fazer isso depois que o carro já foi comprado e está devidamente registrado no Detran.

Se tudo der certo e o seu cadastro for aprovado — o que deve ocorrer se as dicas que listamos aqui forem seguidas —, é só ligar o seu aplicativo e aguardar as primeiras chamadas!

Neste artigo buscamos trazer algumas dicas sobre as principais dúvidas que os interessados em seguir a profissão de motorista autônomo têm. A cada dia a quantidade de apps que oferecem esse tipo de serviço aumenta, assim como a demanda por carros particulares para percorrerem pequenos percursos é cada vez maior.

Muito em função da má qualidade do transporte público no país, diversas pessoas vêm preferindo utilizar os aplicativos de transporte como Uber, 99 e Cabify para se deslocarem de casa para o trabalho, para a faculdade e até mesmo para eventos sociais. A qualquer hora, os passageiros podem procurar um carro nas plataformas, e é aí que os motoristas devem estar preparados para atender aos seus clientes da melhor forma possível.

Esperamos que você tenha gostado do conteúdo. Caso queira saber mais sobre os tipos de carro para aplicativos, acompanhe nossas atualizações. Agora, que tal ler nosso artigo sobre aplicativos para trabalho autônomo? Informe-se!

Atendimento BV