Saiba tudo sobre a amortização do financiamento

Tem dúvidas sobre a amortização do financiamento? A hora de esclarecer todas elas é agora. Preparamos este conteúdo para você. Confira!

Categoria: Dicas Financeiras

Categoria: Dicas Financeiras

O financiamento se tornou uma das principais modalidades de aquisição de bens disponíveis no mercado. Hoje, se o desejo é adquirir um imóvel, um carro novo, cursar uma faculdade ou fazer uma reforma em casa, existem linhas de crédito específicas para facilitar a concretização dos sonhos, encurtando o tempo e o caminho até a sua realização.

Apesar da popularidade e das facilidades criadas em volta dos financiamentos, ainda é muito comum o surgimento de dúvidas sobre o assunto. Um exemplo é a questão da amortização do financiamento, uma prática relativamente simples, mas causa uma série de dúvidas em quem tem um contrato em aberto ou está pensando em financiar um bem no futuro.

Pensando nisso, preparamos um artigo completo para acabar com as dúvidas que pairam sobre a amortização do financiamento. Como você verá a seguir, essa prática não esconde nenhum mistério e ainda é extremamente vantajosa do ponto de vista da organização e saúde financeira. Continue a leitura para saber mais!

O que é a amortização de financiamento?

O termo “amortização” significa reduzir gradativamente uma dívida; abater parte dela em parcelas, ao longo do tempo. Dessa forma, a amortização do financiamento nada mais é do que o seu pagamento periódico, dentro do prazo previsto, com a finalidade de se reduzir o montante total da dívida.

Para ficar mais fácil entender, basta imaginar que você tenha um financiamento em aberto e que deve ser quitado em 24 parcelas de igual valor. A cada mês que passa e você realiza o pagamento de uma parcela, automaticamente está amortizando a sua dívida, ou seja, está reduzindo o valor o total dela, devolvendo à instituição financeira o valor contratado mais os juros e encargos cobrados pela operação.

Então, apenas para que fique claro, amortização do financiamento é o cálculo feito para se definir quanto da dívida original e quanto dos juros serão pagos todos os meses, ao longo do prazo de duração do contrato.

Como essa prática funciona?

A partir do conceito dado, vimos que não existe nenhum mistério na amortização do financiamento — como muitas pessoas podem imaginar. Na realidade, esse é um processo que ocorre de maneira automática, todas as vezes que você paga uma parcela.

Assim, da mesma forma que você escolhe entre maior entrada ou mais parcelas no seu financiamento, a instituição financeira também define qual sistema de amortização da dívida será utilizado, a depender do tipo crédito, valor e finalidade, por exemplo.

É importante deixar claro que, hoje, existem diferentes maneiras de se amortizar uma dívida. Assim, não importa se você fez um empréstimo pessoal, um consórcio ou um financiamento, existem modelos de amortização que serão aplicados para permitir que o montante original e os encargos sejam pagos de forma parcelada, ao longo de todo o prazo do contrato.

Apesar de ser um ponto mais técnico, é necessário que você saiba que existem dois principais sistemas de amortização no mercado:

  • Tabela SAC: nesse modelo, as parcelas são reajustadas, diminuindo à medida que o financiamento vai sendo pago. Assim, a primeira parcela é a mais cara, enquanto a última é a de menor valor;
  • Tabela Price: nesse sistema, as parcelas têm valor fixo durante todo o prazo de duração do financiamento.

Explicaremos melhor como funcionam os cálculos de amortização em cada um dos sistemas mais adiante. Fique tranquilo, pois saberá tudo sobre amortização até o final deste artigo!

É possível antecipar as parcelas do financiamento?

Até então, explicamos a você que a amortização do financiamento ocorre todas as vezes que você faz o pagamento de uma parcela mensal. No entanto, essa é a amortização tradicional, ou seja, é a forma comum de se diminuir a sua dívida ao longo do tempo.

Porém, é importante que você saiba que, além dos pagamentos mensais regulares, muitos financiamentos permitem a amortização por meio da antecipação de parcelas. Dessa forma, você pode encurtar o prazo de pagamento do saldo devedor, pagando mais de uma parcela no mesmo mês, por exemplo.

Se você não entendeu, explicamos melhor: imagine que você tenha um financiamento a ser pago em 12 meses — de janeiro de 2020 até janeiro de 2021. Caso opte por fazer a amortização tradicional, só quitará a sua dívida em 2021. No entanto, há a possibilidade de antecipar as parcelas, e você decide antecipar duas delas. Feito isso, conseguirá quitar o financiamento ainda em novembro de 2020.

Por fim, é importante lembrar que, ao antecipar as parcelas do financiamento, há sempre a obrigação de se pagar a parcela do mês corrente. Não se esqueça disso!

Amortizar o financiamento por meio da antecipação de parcelas, sem dúvida, traz uma série de vantagens. Sobre elas, falaremos de forma mais detalhada logo a seguir.

Quais são as vantagens de amortizar o financiamento?

Agora que você já sabe o que é amortização do financiamento e como essa prática funciona, podemos avançar um pouco mais e esclarecer melhor as vantagens que a amortização traz. Já adiantamos que são muitos os pontos positivos de se amortizar a sua dívida, especialmente a partir da antecipação das parcelas.

Continue a leitura e entenda por que adotar essa prática pode contribuir positivamente para o seu orçamento e para o seu equilíbrio financeiro!

Redução do saldo devedor

A principal vantagem da amortização do financiamento, sem dúvida, é a redução do saldo devedor. Todas as vezes que você efetua o pagamento da parcela, seja ela a do mês corrente, seja ela referente a uma antecipação, está dando mais um passo em direção à quitação do contrato — o que certamente é o desejo de qualquer pessoa que tenha um financiamento em aberto, concorda?

A parte boa é que, com a amortização, essa redução ocorre de forma ainda mais rápida, aproximando você cada vez mais do final do financiamento e da realização de um sonho, que pode ser a compra de um carro novo ou do seu primeiro imóvel.

Abatimento de juros e encargos

É muito importante que você tenha disciplina e organização financeira para sempre arcar com os pagamentos das parcelas do financiamento na data estabelecida. Dessa forma, você não só reduz a dívida, evitando o pagamento de multas e juros, como também elimina a chance de acumular parcelas e prolongar ainda mais a dívida.

Além disso, quando você se planeja financeiramente para amortizar a dívida com a antecipação das parcelas, as vantagens são ainda maiores. Nesse caso, terá direito ao abatimento dos juros e encargos, o que significa que você economizará dinheiro no final das contas.

A depender sempre do prazo, do valor financiado e das taxas de juros aplicadas, o abatimento dos juros pode gerar uma economia significativa, poupando um bom dinheiro. É importante destacar que, quanto mais longe estiver o vencimento da parcela que você está antecipando, maior será o desconto. É por isso que se recomenda sempre fazer a antecipação da última parcela do financiamento.

Redução do tempo de pagamento

Outra grande vantagem da amortização é possibilidade de se quitar o seu financiamento em um tempo menor. Nesse sentido, sempre que você se organiza para antecipar uma ou mais parcelas, além de estar reduzindo o valor da dívida — como destacamos —, automaticamente está diminuindo também o prazo de duração do seu contrato.

Por exemplo, se você opta por financiar um carro em 60 parcelas — como é bastante comum no mercado —, vai levar 5 anos para terminar de pagar a dívida, isso se fizer todos os pagamentos regulares e na data certa.

Porém, se você consegue antecipar 12 dessas parcelas ao longo de 4 anos, terá quitado o carro nesse prazo, economizado um dinheiro com o abatimento de juros e encargos e ainda poderá planejar novas metas e objetivos com um ano de antecedência. É muito bom, não é mesmo?

Alívio nas contas mensais

Não há como falar das vantagens da amortização do financiamento sem citar a questão do alívio nas contas. Quando você se organiza para fazer os pagamentos de forma adequada, seguindo à risca os prazos, sem dúvida já é algo bastante positivo. No entanto, quando consegue amortizar a dívida de forma antecipada, as coisas ficam ainda melhores.

Com organização e planejamento, a amortização pode ser o caminho mais curto até a liberação do seu orçamento. Ou seja, é uma excelente maneira de se livrar das dívidas mais rapidamente, adiantando o seu pagamento de forma ordenada, aproveitando todos os benefícios que essa prática oferece — e que não são poucos, como já vimos.

Para quem tem muitos projetos e objetivos, a amortização é uma maneira de agilizar a concretização de sonhos, otimizando a forma como o dinheiro é gasto mês a mês. Além disso, a amortização pode ser estratégia para evitar gastos desnecessários, direcionando a parte da sua renda que não está comprometida com a quitação das dívidas firmadas anteriormente.

Em quais situações é indicado fazer a amortização?

Vistas as diferentes vantagens que a amortização do financiamento pode trazer, você certamente deve estar interessado em aproveitar todas elas, certo? Por isso, queremos ajudar você!

Como sabemos quem nem todo mundo tem dinheiro guardado ou está com o orçamento livre para antecipar as parcelas do seu financiamento, entendemos que a amortização deve ser feita de forma estratégica e totalmente planejada — não adianta forçar a barra e agir de maneira irresponsável. Do contrário, poderá ter problemas no futuro.

É fundamental que você escolha o momento certo para fazer a amortização, levando sempre em conta as suas possibilidades financeiras e o período em que se encontra. A seguir, destacamos alguns dos momentos mais indicados para antecipar as suas parcelas. Confira!

Ao receber o 13º salário

Sabe aquele dinheiro que você recebeu no final do ano, correspondente ao famoso 13º salário? Pois é! Ele pode ser muito bem aproveitado caso você opte pode utilizá-lo na amortização de um financiamento. Como esse valor costuma ser destinado a compras de final de ano e outras ações não muito urgentes, você pode mudar um pouco o foco e empregá-lo de forma mais eficiente.

Dessa forma, em vez de gastar o seu 13º salário com a compra de um aparelho celular novo, presentes e roupas, por exemplo, pode destinar todo ele — ou pelo menos uma parte — para a quitação das parcelas do financiamento, garantindo a sua amortização antecipada. Excelente ideia, não acha?

Ao sair de férias

Se você está prestes a entrar de férias, isso significa que você pode economizar dinheiro com algumas atividades que costumam ser necessárias quando está trabalhando. Por exemplo, o fato de estar de férias pode reduzir os seus custos com transporte e com alimentação fora de casa.

Então, essa pode uma boa hora de direcionar a economia das férias na amortização do financiamento. Mesmo que não seja possível amortizar uma grande quantia, ou até mesmo uma parcela por completo, esse valor já pode servir de complemento, ajudando você a arcar com mais um pagamento — o que é sempre algo positivo.

Ao receber bônus

Recebeu um bônus no trabalho? Esse também é um bom momento para amortizar o seu financiamento. Aproveite esse valor extra no seu orçamento para aplicá-lo de forma ainda mais inteligente, em algo que traga vantagens imediatas, como é o caso da amortização.

Além de encurtar o tempo até a quitação integral do contrato, reduzindo o valor da dívida, a amortização diminui os custos com o pagamento de juros e encargos, os quais são abatidos sempre que uma ou mais parcelas são antecipadas. Então, use o seu bônus com sabedoria.

Ao fazer renda extra

Se você conseguiu fazer uma renda extra e não tem uma destinação certa e urgente para esse dinheiro, amortizar o financiamento pode ser uma excelente opção. Essa é, talvez, a forma mais eficiente de reduzir a dívida sem dar aquela apertada no orçamento, já que você está usando uma renda adicional.

Hoje, existem diferentes formas e estratégias para se conseguir fazer uma renda extra. A internet, por exemplo, oferece um sem número de oportunidades para quem deseja desenvolver novas habilidades ou explorar as que já possui para ganhar dinheiro.

Então, se você deseja aumentar os seus ganhos e acelerar a amortização de um financiamento, buscar uma fonte de renda extra pode facilitar bastante as coisas. Fica aqui a nossa recomendação.

Como calcular a amortização do financiamento?

Até aqui, muito já foi falado a respeito da amortização do financiamento. Você já entende bem o que é essa prática, como ela funciona, quais as suas vantagens e o melhor momento para utilizá-la. Agora é hora de abordarmos alguns pontos mais técnicos, explicando a você como calcular essa amortização.

Como já falamos, a amortização nada mais é do que a redução gradativa de uma dívida, a partir do pagamento mensal das parcelas, seguindo um sistema de amortização. Dessa forma, sempre que você paga uma parcela do seu financiamento, além de reduzir o valor original da dívida, está reduzindo também o montante dos juros e encargos.

Assim, amortizar é reduzir o valor principal de uma dívida em conjunto com os juros, taxas e outros encargos que podem ser cobrados na operação, seguindo um sistema de cálculo. Simples assim!

Você deve se lembrar que falamos a respeito dos dois principais sistemas de amortização utilizados no mercado: a tabela price e a tabela SAC, certo? Agora vamos explicar a você como a amortização é calculada em cada uma dessas modalidades. Acompanhe!

Tabela Price

Nessa modalidade, as parcelas têm um valor fixo, ou seja, não há alteração do seu valor final no decorrer do contrato de financiamento. Assim, o que acontece é que cada prestação é calculada a partir de uma cota de amortização dos juros, que vai reduzindo com a passar do tempo, de acordo com uma Taxa Referencial (TR).

Na amortização pelo sistema da tabela price, a primeira parcela tende a amortizar uma quantia maior dos juros e uma quantia menor do saldo original da dívida. À medida que o tempo vai passando e os pagamentos são realizados, essa lógica se inverte e o valor correspondente ao pagamento dos juros diminui, enquanto o valor do saldo da dívida aumenta — embora o valor final pago mensalmente seja sempre o mesmo.

Esse sistema é bastante comum em empréstimos pessoais e nos financiamentos de veículos. Para que o seu funcionamento fique mais claro para você, considere o seguinte exemplo: imagine que você tenha feito um financiamento no Banco BV para a compra de um carro novo, no valor de R$50.000,00, para ser pago em 60 meses a uma taxa de juros de 1,5% ao mês.

Nesse nosso exemplo, o valor final de cada parcela será de R$1.269,67. Porém, na primeira parcela, desse valor, cerca de 59% corresponderá aos juros, enquanto 41% se refere à amortização do valor original financiado (R$50.000,00). Já na última parcela, do valor total dela, apenas menos de 2% corresponderá aos juros, enquanto os outros 98% amortizam a dívida original.

Tabela SAC

Por outro lado, a tabela SAC adota um sistema de amortização bem diferente. Inicialmente, SAC significa “Sistema de Amortização Constante”. Nele, as parcelas do financiamento têm valores variáveis, iniciando com um valor mais alto e reduzindo com o passar do tempo. Ou seja, a primeira parcela é sempre a de maior valor, enquanto a última é a de menor.

A tabela SAC é bastante utilizada nos financiamentos imobiliários, cujos valores são mais elevados e os prazos de pagamento são bem mais longos. Para calcular a amortização nesse sistema, é preciso que você saiba que, em cada parcela, é aplicado um percentual de amortização fixo, somado aos juros do financiamento.

Falando dessa forma, pode ser que as coisas fiquem difíceis de se entender. Então, de maneira mais resumida, na tabela SAC, o valor da parcela será definido da seguinte maneira:

Valor da parcela = percentual fixo de amortização + juros.

Para facilitar ainda mais, um exemplo pode ajudar. Imagine que você queira financiar um imóvel no valor de R$300.000,00 em 120 meses, a uma taxa de juros de 1,5% ao mês. Nesse caso, o primeiro cálculo a se fazer é saber quanto será amortizado da dívida todos os meses. Para isso, basta dividir R$300.000,00 por 120, o que corresponde a R$2.500,00. Esse é o percentual de amortização.

Então, se não houvesse juros nesse financiamento e você pagasse R$2.500,00 ao longo de 120 meses, quitaria a dívida — mas não é assim que as coisas funcionam. Como no exemplo há uma taxa de juros de 1,5% ao mês, então é preciso que você a calcule em reais. Para isso, basta multiplicar R$300.000,00 por 1,5%, chegando a R$4.500,00 de juros.

Dessa forma, como o valor da parcela corresponde ao percentual de amortização mais os juros, a primeira parcela do financiamento do nosso exemplo será R$2.500,00 mais R$4.500,00, ou seja, R$7.000,00.

Contudo, devemos lembrar que, na tabela SAC, as parcelas vão diminuindo conforme o tempo vai passando e elas vão sendo pagas. Considerando o exemplo dado, a segunda parcela do financiamento seria menor que R$7.000,00. Isso porque o cálculo dos juros não considera mais o valor total da dívida, mas apenas o que restou após a amortização da primeira parcela.

Sendo assim, R$300.000,00 menos os R$2.500,00 (valor amortizado na primeira parcela), chegamos à quantia de R$297.500,00. Então, para calcular a segunda parcela você deve multiplicar R$297.500,00 por 1,5% — o que dá R$4.462,50 — e somar com R$2.500,00. Assim, temos que a segunda parcela será de R$6.962, 50.

Por fim, como foi possível perceber, a amortização do financiamento é uma prática bastante positiva do ponto de vista da organização e saúde financeira. As diferentes vantagens que destacamos são grandes exemplos de como você pode se beneficiar com a antecipação das parcelas de um financiamento, poupando dinheiro e direcionando melhor a sua renda para a realização dos seus objetivos.

Caso tenha restado alguma dúvida sobre esse assunto ou queira ajuda para organizar melhor suas finanças e conseguir concretizar os seus objetivos, a BV pode ajudar. Entre em contato conosco hoje mesmo e conheça as melhores soluções de crédito do mercado!

Atendimento BV